sexta-feira, 27 de abril de 2012

A MARAVILHA DE VIVER



Você nasce,
E o teu primeiro choro
Torna-se o real motivo, o principal,
Da alegria de seus pais.
Você cresce,
Aprende, caminha, avança,
Faz amigos, vai à festas,
Faz inimigos,
E ao aprender a relacionar-se,
Vence e perde muitas batalhas.

Você se apaixona,
Pela primeira, segunda, terceira vez...
Aprende a amar, decepciona-se, encanta-se,
Talvez traia, ou seja traído.
Descobre , nos membros de sua própria familila,
Seus maiores aliados
E seus piores inimigos.

Você estuda, se forma, arranja um trabalho,
E quer você goste dele ou não,
É isso o que faz para viver.
Você sai, vai ao cinema, viaja, lê,
Anda pelas ruas sozinho,
Embriagando-se nos piores momentos
E aprende a fumar,
Para depois, desaprender.

Um dia, você acha que está ficando velho demais,
E se casa, talvez tenha filhos,
Forme uma linda família,
Consiga aquela tão sonhada promoção
Que, na verdade, só trará horas extras, problemas extras,
Aborrecimentos extras...
Quem sabe, uma doença grave.
Você planta uma árvore, escreve um livro
E acha que já fez tudo.

Você questiona a vida,
Quer saber sobre a morte
(Talvez, motivado por uma recente perda)
E então, passa a ler muitos livros,
Assiste a muitas palestras e documentários,
E talvez, até entre para uma religião
Em busca de respostas para seus questionamentos,
Mas não obtém nenhuma,
A não ser, se a sua fé for maior que a sua descrença.

Você um dia, sente que a vida
É muito mais do que tem sido pra você,
E resolve dar um grito, um pulo,
Um salto quântico, e faz loucuras...
É a meia-idade que se aproxima,
E desse voo, pode restar bem pouco,
Tudo depende do tamanho da sua frustação.

Tudo isso acontece a todos,
Embora alguns tentem negar,
E nem sempre, as coisas acontecerão
Nessa ordem na qual foram apresentadas.
Um dia, meu amigo, e isso é para todos,
Até mesmo para os que negam,
Você morre.

Se for famoso, ou se tiver muitos amigos,
As pessoas farão lindas homenagens,
Chorarão muitas lágrimas,
Esquecerão de todos os seus defeitos
E você passará a ser um ser de luz perfeito
Que veio à Terra com uma grande missão.
Mas depois - e isto também é fatal
Você será esquecido.

Mas a vida pode ser maravilhosa,
Entre o primeiro e o último momentos.
Não pode?

7 comentários:

  1. Excelente pensar. Certamente deixdaremos rastros (das passagem na estrada da vida) e, dependerá de nós essas marcas que falarão por nós. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. .


    Ultimamente a tua página tem
    sido o lugar aonde eu passo a
    maior parte dos meus momen-
    tos. Com base no que eu te di-
    go é que me atrevo a convidar-
    te para uma visita ao meu
    Blog, aonde tu encontrarás o
    meu mais recente trabalho.

    Espero por ti.

    Obrigado.

    silvioafonso





    .

    ResponderExcluir
  3. Maravilha sua poesia,Graças a Deus temos muito para aprender
    e evoluir.Sermos Felizes pela oportunidade de melhorarmos e
    por poder sempre Amar,Amar.Parabéns Ana,adorei te ler.Bjus\Flor*
    (Amiga estou com sérios problemas com este sinal do Speedy Vivo
    portanto não te preocupes quando posso chego.)

    ResponderExcluir
  4. Ana,sem palavras para tão bela e sensivel poesia sobre a vida e como ela é maravilhosa!Amei!bjs e bom sábado!

    ResponderExcluir
  5. Ana, seu texto é crú, real, exato. nascer e morrer, fato. Acho que já disse isso algumas vezes: Não acredito em felicidade, parei de correr atrás disso faz tempo, acredito nos momentos de alegria, tão mais passageiros que os momentos de dor. Como está no perfil Da Rose, e tomo um tanto pra mim: A VIDA NÃO TEM CURA...por isso absorvo vorazmente quando ela se mostra maravilhosa a mim, sei que vai passar logo, por vezes passa no próximo respirar. jamais serei uma pessoa triste Ana, não, sou brincalhona, bocuda com quem posso ser, e quando entro dentro de mim nas viagens interiores quase diárias,somo cicatrizes ao longo dos meus quase 53 anos. É isso amiga, você é show de bola.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...