terça-feira, 17 de abril de 2012

DE REPENTE...






De repente, ela tinha o mundo,
Que se ajoelhava, de graça,
E com toda a graça do mundo
Aos seus dançarinos pés...

De repente, a vida sorria,
Vinha a noite, abraçava o dia,
Que jamais escurecia,
Prateado pela lua!

De repente, ela tinha as praças,
Os prédios, as lojas, as ruas,
E as formas da natureza,
Sorriam-lhe pelo espelho!

De repente, ela ria à toa,
Sentia a vida nos artelhos...
Ah, a vida era tão linda,
Tão fácil a vida, tão boa!

De repente, uma nuvem veio,
Tão pequena e cinzentinha,
Que ela nem sequer temeu,
Nem pensava em ser sozinha!...

De repente, o nada absoluto,
Ao redor, um caos absurdo,
Pois levaram-lhe seu mundo,
Ah, desespero profundo!...

E a nuvem, então, cresceu,
Estendeu-se sobre ela
E fez sombra sobre tudo,
E o seu dia escureceu...

E a lua ficou fosca,
Tão rachada e ressequida
A lua, de morte, ferida,
Sangrou sobre os sonhos seus...

De repente, ela era nada,
Pois que nada lhe restara,
A não ser, muitas lembranças
E uma esperança rara... 








2 comentários:

  1. é, mas nada como um dia após o outro... os ciclos são necessários ao apredizado... bjuuu

    ResponderExcluir
  2. Difícil ser e ter e depois tudo perder. A vida é um infindável aprendizado Ana, e tudo faz parte do contexto que se vive. Perder a esperança, é como viver, insepulta. Chega a doer o estômago.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...