segunda-feira, 23 de abril de 2012

Derradeiro Olhar




Um dia, nos abraçaremos
Pela derradeira vez,
E as palavras que diremos
Nunca mais serão ouvidas.

A carícia dispensada
Será o último toque,
Por diferentes caminhos
Um dia nos perderemos.

Para nós, será um choque,
Pois sabendo o que sabemos
Mesmo assim, seguimos frios
Pela vida que vivemos.

Um dia, nos abraçaremos
Pela derradeira vez...
Mas quem sabe, quando ou onde,
Até quando nos veremos?...

Por que será, só choramos
Por aquilo que perdemos?
Por que não valorizamos
Tudo aquilo que ainda temos?

2 comentários:

  1. Na verdade, além de só chorarem pelo que perdem, as pessoas costumam copiar sempre o que há de pior nos outros, ou seja, os defeitos.
    Eu confesso que choro por qualquer emoção muito forte, até mesmo quando assisto a um concerto de música erudita ou popular ao vivo. Também chego às lágrimas diante da beleza exubernte da natureza e do sorriso inocente de uma criança.
    Resumindo, como dizia meu pai, sou uma manteiga derretida. Grande abraço, Ana.

    ResponderExcluir
  2. Ana, sua poesia eu copiaria colocaria num embrulho lindo, quem sabe um lencinho, com minhas iniciais bordadas, e daria pro meu marido no dia dos namorados. Perguntei isso incansáveis vezes, tantas quantas não obtive resposta. Cansei. Não tento mais fazê-lo dar valor, eu agora me dou todo valor que eu possa. ESPETACULAR, mesmo sendo uma verdade doída, precisamos perder para valorizar.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...