terça-feira, 10 de abril de 2012

Aparência









Tantos rostos, tantas faces
A vagar por estas ruas
Entre as minhas e as tuas!...

Vem o tempo, muda a cara,
Mas aquela coisa rara...
Nem o tempo a envelhece!

Aparentemente, a mente
Se disfarça muito bem
Entre caras, entre bocas...

E as veras emoções
Disfarçadas de intenções,
Ah, são poucas, muito poucas...

Quem me dera ter na face
O olhar surpreendido
De quem enxerga um bom disfarce!

Pois quem sabe, a minha face
E a tua, se mesclassem
Sublimando toda classe!




3 comentários:

  1. Boa tarde Ana. Perfeito! Pelo que posso observar e sentir a nossa mente não envelhece. ATé quando não sei. Beijo e parabens pela poesia.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Ana. Estou muito feliz por ter te encontrado, estava com saudade de ler-te. Beijo com muito carinho, Lumansanaris.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...