segunda-feira, 9 de abril de 2012

Como o Dia







Assim, despede-se o dia
Do seu tempo de viver:
Entre laranjas , vermelhos,
E um raio de sol a morrer...

Um último grito de pássaro,
Cigarras no meio do mato
Cantando a não mais poder...

Despede-se o dia, sem dores,
Sem saudades ou temores,
Por trás daquela montanha,
Ele apenas adormece.

Vem a noite, ele se entrega
Ao seu escuro abraçar,
Sem receios do que é negro,
Sem desejos de brilhar.

Desperta o dia, sem planos,
Sem caminhos tracejados,
Entre amarelos, vermelhos,
Mil tons de um lindo rosado...

Desperta o dia, entre os risos
De um coral de passarinhos
Quer chova, quer faça sol,
Erguem voo de seus ninhos.

Vem o dia, vai-se o dia, 
Chega a noite, vai-se a noite...
Os rosados e amarelos,
Os laranjas e vermelhos,
E os pretos cravejados,
E a lua nacarada,
E eu aqui, ao teu lado...




3 comentários:

  1. "Ao lado" tudo é mais bonito. Até ficar olhando, ao cair da noite, a Lattiffa coçando as purga que amealhou ao nascer o dia.

    ResponderExcluir
  2. altamente inspirada !!! maravilhoso !!! parabens !!! olguinha costa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...