segunda-feira, 9 de abril de 2012

Como o Dia







Assim, despede-se o dia
Do seu tempo de viver:
Entre laranjas , vermelhos,
E um raio de sol a morrer...

Um último grito de pássaro,
Cigarras no meio do mato
Cantando a não mais poder...

Despede-se o dia, sem dores,
Sem saudades ou temores,
Por trás daquela montanha,
Ele apenas adormece.

Vem a noite, ele se entrega
Ao seu escuro abraçar,
Sem receios do que é negro,
Sem desejos de brilhar.

Desperta o dia, sem planos,
Sem caminhos tracejados,
Entre amarelos, vermelhos,
Mil tons de um lindo rosado...

Desperta o dia, entre os risos
De um coral de passarinhos
Quer chova, quer faça sol,
Erguem voo de seus ninhos.

Vem o dia, vai-se o dia, 
Chega a noite, vai-se a noite...
Os rosados e amarelos,
Os laranjas e vermelhos,
E os pretos cravejados,
E a lua nacarada,
E eu aqui, ao teu lado...




3 comentários:

  1. "Ao lado" tudo é mais bonito. Até ficar olhando, ao cair da noite, a Lattiffa coçando as purga que amealhou ao nascer o dia.

    ResponderExcluir
  2. altamente inspirada !!! maravilhoso !!! parabens !!! olguinha costa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...