sexta-feira, 6 de abril de 2012

PAIXÃO






E então, aquele que tinha vindo para revelar a sombra dos que reinavam, mostrando a eles mesmos o seu grau de corrupção, foi capturado. 

Como pudera ele atrever-se a derrubar o templo seguro das verdades que há séculos norteavam existências? Como pode ele ter tido a coragem de desafiar seus dogmas e preceitos há tanto estabelecidos e jamais questionados? E aqueles a quem ele chamava de discípulos não passavam de gente simples do povo, gente sem representatividade que, não mais que de repente, eram premiados com a missão de espalhar a Palavra que ele desencavara dos confins dos corações humanos! E que dizia ser a Palavra Divina! Mas eles tinham a palavra Divina, e apenas eles!

Mas a multidão oprimida, com suas almas sedentas e ressecadas, seguia o mestre e seus discípulos a todos os lugares, e sentavam-se para ouvir suas histórias. Eles prometiam um mundo melhor, onde a repressão e a dor teriam fim. Bastava que para isso, eles o seguissem e cumprissem o novo dogma. Bastava que desistissem das ilusões aflitivas e tribulações daquele contexto de mundo cansado e repressor no qual estavam inseridos. Mas haveria ranger de dentes até que toda aquela paz pudesse ser alcançada! Haveria morte e perseguição, mas desta vez, por um ideal maior que eles mesmos. Ora, já não eram mortos e perseguidos em favor dos que estavam no poder e lhes usurpavam as almas? Desta vez, a perseguição sofrida seria por uma causa maior: a salvação da humanidade!

E muitos acreditaram nele. Muitos o seguiram, bebendo suas palavras e assimilando as novas verdades. Assim, ele tornou-se perigoso, pois proclamara-se um novo rei, com promessas de um novo reino de vida eterna a seus seguidores, que em muito ultrapassava as expectativas daquele povo e as capacidades dos antigos governantes e líderes espirituais.

Ele tinha que ser calado. Enviaram-lhe o Rei das Trevas, com promessas de ouro, prata e poder sobre toda a humanidade. No deserto de sua própria sede e de seu próprio medo, ele foi tentado. Só mesmo o seu próprio coração pode reconhecer a dificuldade que ele teve ao dizer ‘não’ a todas aquelas ofertas! Mas ele conseguiu, e atravessou seu próprio deserto, agora consciente da própria sombra que carregava, fruto de sua própria luz.

Como ele não havia cedido, a única alternativa que lhes restava, era eliminá-lo. Para isso, procuraram o mais fraco de seus discípulos – o mais ambicioso – e o convenceram-no a traí-lo; mas disseram que não se tratava de traição, e que tudo seria para o próprio bem de seu mestre, e que nenhum mal lhe seria feito. Tudo o que ele precisava para ser novamente libertado, era negar suas convicções errôneas e deixar de colocar ideias malucas na cabeça do povo. Que mal poderia dar-se daquela atitude? E não seria traição, já que o discípulo só estaria contribuindo para que seu mestre permanecesse vivo e fisicamente íntegro!

Assim, com um beijo, a história foi selada.

O mestre foi conduzido a um tribunal, onde as autoridades não quiseram responsabilizar-se pelo seu destino. A decisão seria do povo – seus seguidores. Levaram-no diante deles, junto com Barrabás, o Ladrão, e disseram ao povo que eles deveriam decidir quem morreria e quem viveria.

A multidão calou-se por um instante, indecisa diante da sombra e da luz. Pela primeira vez, estavam diante de dois espelhos, mas em apenas um deles, reconheceriam a sua imagem.

Lembraram-se dos muitos anos durante os quais a luz de poucos projetara sombras escuras sobre a sua existência. Mas, por outro lado, lembraram-se das promessas de luz eterna e conhecimento,feitas pelo mestre que os ensinara, sentado sobre as colinas, e das tardes maravilhosas que haviam desfrutado juntos. Mas também se lembraram de que ele mesmo dissera que, para que a luz fosse feita, e para que a paz fosse alcançada, muitos deveriam morrer. E mil dúvidas vieram Às suas mentes: será que existia mesmo, a vida espiritual prometida? Tudo o que conheciam, era aquela vida carnal, urgente, incontestável, feita de dores e prazeres.

Por fim, concluíram que, se a vida espiritual realmente existisse, que mal fariam, se enviassem seu mestre até ela? Não deveria ele precedê-los, e guardar seus lugares junto ao Pai maior?

A decisão que tomaram foi assim justificada; mas o que eles não perceberam, era que matar o ladrão seria o mesmo que matar algo importante em todos eles, pois Barrabás era o receptáculo de suas sombras! Durante suas vidas, eles tinham aprendido a lidar melhor com a sombra do que com a luz. Não estavam prontos para abrir mão de seu lado mais obscuro, trazendo-o à luz do conhecimento. A salvação teria que esperar por mais alguns séculos, até a humanidade pudesse reconhecer a sua sombra e lidar com ela adequadamente, trazendo-a à luz.

Mal sabiam eles que tinham feito a escolha certa, nada mais, nada menos do que exatamente o que o mestre esperava que eles fizessem, pois a luz foi devolvida a uma dimensão à qual não os cegava, e eles podiam procurá-la e olhar para ela sem correrem o risco de se tornarem cegos por seu brilho. Bastava-lhes saber que ela existia.

E a promessa, feita pelo mestre, de muitas dores e provações até que pudessem alcançá-la e olhá-la de frente, até hoje é cumprida na face da terra.



8 comentários:

  1. Ai Ana,que texto profundamente lindo e esclarecedor!Gostei demais e aprendi com suas palavras!Bjs e meu carinho!

    ResponderExcluir
  2. Suspeitei desde o princípio que seria texto religioso, não li.

    ResponderExcluir
  3. Maravilhosa crônica, Ana, minha amiga! Uma interpretação superior para a morte de Cristo. Realmente, teria a multidão ignorante que praticar o maior dos homicídios de toda a história da humanidade. Não havia ainda preparo para enxergar a grande luz, a verdade, o amor verdadeiro que Cristo nos trazia. Parabéns de pé para uma crônica fabulosa no conteúdo e na forma. Feliz Páscoa, querida amiga, e para toda a sua família também. Gilberto

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Ana, um lindo e profundo texto, e até hoje o povo anda perdido em suas falsas verdades, tenha um feliz páscoa amiga, bjusss! Ignez

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo texto. Excelente. Não surpreende porque você sabe lidar muito bem com ideias. Certamente vale ser relido depois também. Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Fiquei maravilhada com o que vi e li em sua página aqui de seu blog! Você, têm muito bom gosto, e é super talentosa! Gostei de conhecer sua progenitora, e de ve-la ainda bem forte. PARABÉNS, PELO SEU LINDO TRABALHO,HAVIA PERDIDO SEU LINK, AINDA BEM QUE VOCÊ MANDOU-ME OUTRO! GRATA, DEUS A ABENÇOE. PARABÉNS,MAIS UMA VEZ.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelas páginas, Ana ! São dignas de uma grande escritora, que você é !
    Abraços com causos mineiros.
    Calazans

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...