terça-feira, 3 de abril de 2012

Mudando Sempre...





Há uma certa necessidade de permanência em mim. Gosto de morar onde moro, estou há vinte e sete anos com a mesma pessoa (casada há quase vinte e dois anos) e sou bastante conservadora daquilo que aprecio. Mas existe também - confesso - uma certa impermanência em meu desejo de permanência.

Explico: adoro mudar as cores e organização de meus espaços! Em minha casa, por exemplo, frequentemente troco as capas das almofadas, as cortinas e a disposição dos móveis. Gosto de comprar novos adornos, 'aposentando' os antigos por algum tempo, trocando-os de lugar ou até mesmo, fazendo doações. Na minha maneira de vestir-me, essas mudanças também ocorrem frequentemente. Tenho cores predominantes, em certas épocas. Já fui pink, preto, amarelo, branco, azul... atualmente, acho que estou em transição, do verde para alguma outra cor que ainda não escolhi qual será.

Da mesma maneira, é meu blog. Gosto de trocar o plano de fundo, as cores, as letras... e também adoro escrever sobre absolutamente todos os assuntos que me interessam: poemas, crônicas, contos, artigos, Haikais, romances, resenhas... sempre gosto também de variar no conteúdo; às vezes, escrevo sobre a tristeza, e outras vezes, sobre a alegria, o ciúme, a inveja, a felicidade... todos os sentimentos humanos já passaram sob a minha pena, assim como em minha vida. Escrever sobre eles, ajuda-me a entendê-los.

Também sou assim quanto a mudar de opinião, se necessário. Não costumo agarrar-me a uma idéia apenas porque ela foi a primeira idéia que me ocorreu, ou a que alguém me ensinou. Mudar de opinião e alcançar uma nova visão sobre as coisas faz parte do crescimento, e ater-se a dogmas, o paralisa.

A leitura faz parte de mim, e gosto de ler sobre vários assuntos. Mas, acima de tudo, não sei viver sem escrever! Só me sinto completa quando escrevo todos os dias.

Minha vida pode parecer sempre a mesma para quem me observa - uma simples professora, que dá aulas particulares em sua própria casa - mas eu posso garantir que, todos os dias quando acordo, olho para as mesmas coisas, mas sempre com um novo olhar! Jamais sinto-me entediada durante muito tempo. E quando me sinto entediada, é porque por algum motivo, não estou bem. Mas trato de mudar de atitude assim que posso!

A vida nunca é a mesma, basta que tenhamos sobre ela um olhar sensível e apreciativo. Assim, embora eu seja, em essência, a mesma pessoa, meus gostos e o ambiente à minha volta estão sempre mudando. Aos poucos, mas também radicalmente.

8 comentários:

  1. MUDAR É BOM. MAIS EU NÃO GOSTO MUITO DE MUDANÇAS. DEVE SER A IDADE, JÁ MUDEI TANTO, JÁ MOREI EM TANTA CASA QUE NEM ME LEMBRO MAIS. MUDAR COSTUMES É MAIS COMPLICADO, QUASE TANTO QUANTO MUDAR DE ESTADO CIVIL. EU SOU APEGADO E NÃO DESAPEGO FACILMENTE. ESTOU PENSANDO EM FAZER UMAS CALÇAS BOCA DE SINO, CAMISAS DE GOLA ALTA, SAPATO SALTO CARRAPÊTA 5CM. É, VOU MUDAR PARA OS ANOS 70.

    ResponderExcluir
  2. Acho que conservamos o essencial, enquanto essa impermanência alimenta novos olhares e descobertas. Mudanças constantes são uma forma de dar vazão à criatividade. Sempre muito bom ler-te, Ana!

    Beijos
    Dolce

    ResponderExcluir
  3. Gostei dessa impermanência na permanência! Sou permanente em muitas coisas que considero essenciais, e noutras periféricas, creio que me permito mudar... mas também me assusto quando tudo entra em ebulição sem me avisar e me vejo mudando em coisas que acreditava não deveriam mudar... Sou assim. Por isso, creio eu, gostei demais do teu texto. Gostei da leveza na tua escrita e a mudança no visual do blog. Parabéns!

    Abraços sempre afetuosos.

    Fábio.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana. Saudade. Demorei a voltar porque não achava mais o endereço desse blog. Escrevi-lhe perguntando mas penso que você não recebeu meu e-mail. Pretendia, inclusive, seu fone, caso ocê não tenha restrição em falar om amigos internéticos.__ Só não muda quem já morreu. Os vivos, os criativos, os saudavelmente insatisfeitos mudam, reciclam-se. Em parte sou como você nesse lance de trocar coisas de lugar, mudar cores, esconder objetos por um tempo. Até porque eu ganho muitos e meu apto. é pequenininho demais para expor tudo! Logo, guardo uns, uso outros, alterno. Ou acordo um dia com vontade de "desapego" (rsrs) e vou encaixotando coisas para doar.__ Sua crônica é primorosa, como sempre. Como eu disse num outro comments por aqui é um deleite lê-la. Mesmo às 4:30 da madrugada (rs)! SEU BLOG ESTÁ SUPIMPA, UM ARRASO DE LINDO!__ Por falar em mudanças, pondere: já não será tempo de voltar? Se ainda não, continuo a esperá-la de volta, com carinho, ao RL.__Beijão, Kathleen

    ResponderExcluir
  5. Ana, a vida é uma constante metamorfose! é sábio mudar! beijos

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Ana, essa inquietação é própria da alma que deseja evoluir...
    Ainda bem que ela sabe como nos mover em busca do novo... Link: http://ana-bailune.blogspot.com/2012/03/garota-dos-pes-de-vidro.html

    ResponderExcluir
  7. BOA TARDE! OLÁ ANA, ASSIM COMO VOCÊ VIVO EM METAMORFOSES, GOSTO DE MUDAR! UM BEIJOS E UM ABRAÇO APERTADO!

    ResponderExcluir
  8. MUDO EM ALGUMAS COISAS EM TUDO NÃO . ! GOSTEI DO TEXTO , ACHO QUE VOU FAZER COMO O SR YAMANU KKK MUDAR PRA OS ANOS 7O.... QUE BOM QUE VOCE É MUTANTE... POR ISSO TEM TANTOS FÃS... UM BEIJO LINDA. OLGUINHA

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...