domingo, 24 de março de 2013

ÍNFIMO










Aquela gota sobre a folha, 


Ínfima, 


A nuvem quase derretida, 


Qual fiapo de vida que passa, 


Mas deixa seu encanto em algum canto... 



A borboletinha que voa de manhã, 


Espalhando graça, 


Gotículas de chuva na vidraça... 


Pequeno besouro, tão perfeito, 


Que as asas parecem pintadas 


Pelo pincel de um grande artista 


De grandes efeitos... 



A minoria, desprezada, ignorada, 


A que dorme nas calçadas 


Com quem ninguém se importa, e quem sabe, 


Tenham a alma mais lavada! 


Suaves nuances de poesia, 


As sombras que aos poucos se transformam 


Trazendo a tarde, 


A noite, e outro dia... 



As coisas que nascem e morrem 


À margem de tudo aquilo 


Que a maioria considera importante, 


Passando despercebidas, 


Esquecidas... 



Vem e vão sem nenhum grito, 


Arrancam-lhes a dignidade 


E o direito de existir 


Violentamente, 


Com os ganchos da maldade! 



Disseram-me 


Que as minorias 


Deveriam ficar à margem 


Da vida, da sociedade, 


Pois nada tem a dizer 


Ou a acrescentar ao mundo... 


Devem permanecer no escuro fundo 


Da dor, do preconceito e do medo, 


Sem serem notadas, 



Como as pequenas gotas de orvalho sobre a folha, 


As borboletinhas, 


Os pequenos besouros 


E as nuvens efêmeras 


Cuja chuva nem toca o solo! 


Só tem direito à vida 


Quem é grande, normal, importante, 


Quem dita as regras às minorias, 


Regras que devem ser seguidas 


E jamais contestadas! 




Abaixo as pequenas coisas da vida, 


Abaixo as minorias, 


Abaixo a voz que tenta ser ouvida, 


Abaixo as palavras de Cristo 


Que disse que somos iguais, 


Abaixo!... 


Bem baixo, 


Por baixo de tudo, 


Sob o polegar imundo 


Daquilo que chamam justiça! 








Um comentário:

  1. Amei esse poema reflexivo, me faz pensar, portanto adoro, sou movida a pensamentos, aqui tens lindos versos poéticos que falam ao coração, que lindo!
    Abraços!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...