quarta-feira, 13 de março de 2013

Alma Penada





Ele vaga pela casa
Sabendo não ser lembrado.
-Que destino malfadado
O de saber-se esquecido!

Vem um vento desabrido
Leva o que ficou marcado...
Entre o tilintar das taças
Um desejo malogrado

Pois que anda pela casa
Sabendo não ser lembrado...
De toda a vida vivida,
Nenhum sonho foi guardado!

Veio a morte, e carregou
O que havia se orgulhado,
E a memória se fechou
Sobre quem havia amado...

Ele chora pela casa
Sabendo não ser lembrado...
Entre os risos de alegria
Ele se queda, chocado!

Tantos anos de ilusões,
Tanto amor desperdiçado
Entre os frios corações
De quem havia adorado!

E ele assombra aquela casa
Sabendo não ser lembrado...
E o que restou de si
Sob um túmulo, fechado!

Não houve vela, nem missa,
Nem mesmo um canto chorado!
Apenas o esquecimento
Sobre o espírito calado...

E ele não vê consolo
Algum, em não ser lembrado...
Em cada canto da casa,
Um retrato retirado!

E ele chora, vaga, assombra
Pelo seu morto passado
Em cada cômodo, a sombra
daquele que foi levado!






3 comentários:

  1. Poema instigante, principalmente sobre o pós-vida. Creio que haja um destino diferente para os não encarnados aqui neste planeta. O universo é muito vasto... Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Que tristeza não não ter um passado lembrado, não ter seus quadros pela casa, não ser sentido por alguem, não ofertado intensões. Que triste deve ser, nostalgia e lamento.

    ResponderExcluir
  3. Por isso se deve aproveitar enquanto se está vivo. Mas nem todos se transformam em fantasmas insatisfeitos. Partem e são abraçados. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...