quarta-feira, 6 de março de 2013

Eu Não Sou o Diabo!





Arranco as correntes
Que me prendem.
Causa-me asco
Esse cheiro de alho
Nos hálitos quentes!

As bocas frementes
Murmuram,
As bocas famintas,
No escuro...

Ando pela vida
Cercada de flores
(Algumas, murcharam)...
Canteiros de dores,
Pétalas de risos,
Sons de cigarras
E de guizos...

Às vezes, eu voo,
Às vezes, viajo
E me perco,
Me engano,
caio...

Nasci em setembro
De dentro de maio
Que foi-se em dezembro.

Por vezes, eu grito,
Parece que bebo,
Parece que salto
Ao som de um apito...
E o motivo?
-Pode ser um vento,
Um rito.

Quem olha, me vê
Sobre a superfície,
E julga com os olhos,
Bocas e ouvidos...
Não vê as entranhas,
E não faz sentido!...

Não sou o diabo,
Pois gosto do vento,
Do frio, e o inferno
É quente demais.
Não uso tridentes,
Não me delicio
Com ranger de dentes...
Eu prefiro a paz.

Não sou o diabo,
E esse discurso
Que me apresentas,
Eu já sei de cor!
Vê se te emenda,
E passa direto,
Corre, vá de retro,
Pois não sou o diabo,
Mas posso ser pior!

*






 

3 comentários:

  1. HUmmm.. Esse poema tá que tá danado!! rs

    NEM CÉU NEM INFERNO - SÓ PÉTALAS

    Seria um recado,
    um aviso?
    Seria ameaça ou
    talvez peça pregada?

    Quem sabe carochinha as avessas
    na ponta do lápis
    no refôlho da página

    que seja:
    peça
    ameaça
    aviso
    recado

    (...) Há um transbordar de rosas no ar

    pra ti Ana,em resposta ao teu poema!!


    bacios cara mia!

    ResponderExcluir
  2. Quem não lê almas é incapaz de entender sentimentos e pessoas, em sua maravilhosa essência. Poema muito belo. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...