sábado, 23 de março de 2013

Missão





Dos meus dedos
Escorre o mar,
Dos meus olhos
Brotam estrelas
A brilhar na noite escura.

-Só não consigo te dar
A paz, que tanto procuras!

Nascem ventos
Da minha voz,
E no meu peito,
Brotam flores
Da mais fina suavidade...

-Só não sei como curar
Do teu coração, a saudade!

Corre mel
Da minha boca,
E eu guardo
Em meu sorriso
Vertentes do Paraíso...

-Só não sei como tirar
Ou sequer, aliviar
A dor do teu peito contrito...

Te peço, fica comigo,
Embora eu nada te dê
Que te devolva o sorriso.

Mas te dou o meu amor,
Esperança que tu vestes
Por cima da tua dor.



                      

5 comentários:

  1. Que belo poema, Ana. A mais pura declaração de amor, permeada de nobreza de sentimentos. Isto sem falar na beleza das metáforas, mar que escorre dos dedos, estrelas que brotam dos olhos, etc. Parabéns! E seu blog está cada vez mais bonito.

    ResponderExcluir
  2. Precioso poema... (entre borboletas e corações tudo fica mais delicado)

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Sempre linda,Ana!!Um ótimo fds bem inspirador e lindo! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Que lindo, Ana! Preciosa forma de colocar sentimentos em versos. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Você desamarrou as cordas do seu barquinho lírico, e lá veio ele, rumo a nós... Versos cativantes.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

VOLTANDO...

Veneza Olá, pessoal! Estive fora por uns dias, realizando um grande e muito antigo sonho: conhecer a Itália! Foi uma experi...