sábado, 23 de março de 2013

Missão





Dos meus dedos
Escorre o mar,
Dos meus olhos
Brotam estrelas
A brilhar na noite escura.

-Só não consigo te dar
A paz, que tanto procuras!

Nascem ventos
Da minha voz,
E no meu peito,
Brotam flores
Da mais fina suavidade...

-Só não sei como curar
Do teu coração, a saudade!

Corre mel
Da minha boca,
E eu guardo
Em meu sorriso
Vertentes do Paraíso...

-Só não sei como tirar
Ou sequer, aliviar
A dor do teu peito contrito...

Te peço, fica comigo,
Embora eu nada te dê
Que te devolva o sorriso.

Mas te dou o meu amor,
Esperança que tu vestes
Por cima da tua dor.



                      

5 comentários:

  1. Que belo poema, Ana. A mais pura declaração de amor, permeada de nobreza de sentimentos. Isto sem falar na beleza das metáforas, mar que escorre dos dedos, estrelas que brotam dos olhos, etc. Parabéns! E seu blog está cada vez mais bonito.

    ResponderExcluir
  2. Precioso poema... (entre borboletas e corações tudo fica mais delicado)

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Sempre linda,Ana!!Um ótimo fds bem inspirador e lindo! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Que lindo, Ana! Preciosa forma de colocar sentimentos em versos. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Você desamarrou as cordas do seu barquinho lírico, e lá veio ele, rumo a nós... Versos cativantes.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...