segunda-feira, 25 de março de 2013

Das Marcas







...E quando eu me for, deixarei poucas marcas,
Todas rasas,
Perder-me-hei no vão das estradas
Por onde passa o esquecimento,
Apagando todas as pegadas.

Minha memória será breve,
Lavada pelo pranto igualmente raso
Dos que jamais me amaram ou compreenderam
Ou souberam, realmente, quem eu fui.

Talvez demorem-se um instante no caminho,
Olhando para trás, 
Enquanto um bando de pássaros em revoada
Carregam consigo o que restou de mim,
Para bem longe,
Para o infinito,
Onde esquecem-se as memórias.

Talvez meditem no enigma daquela
Estranha criatura, que nasceu
E cresceu entre eles, 
Sem jamais tornar-se como eles,
Uma alma caída não-se-sabe-de-onde,
Ou por qual objetivo.

Pois se hoje mesmo, sinto o quanto sou efêmera
Nos corações que cultivei
Por onde plantei flores que cresceram
E murcharam,
Negligenciadas.

Talvez seja melhor que eu seja assim,
Uma alma que passa, como uma nuvem carregada,
Que chove e cai na terra abençoada,
Fertilizando tudo, 
E depois retorna, evaporada,
Sem que seja lembrada,
Sem que seja notada.








3 comentários:

  1. NOSSA, É PROFUNDO DEMAIS.

    MAS TENHO QUE CERTEZA QUE PARA ONDE FOR, NÃO SERÁS ESQUECIDA NUNCA.

    BJS NO TEU CORE.

    PATTY.

    ResponderExcluir
  2. As marcas são profundas quando se ausentam as pessoas especiais. E ninguém passa pela vida sem deixar as suas. Muito belo! Bjs.

    ResponderExcluir
  3. A Humanidade (nós outros) passamos. Já você, Ana, com sua arte, expressa a consciência dessa passagem, o conhecimento, a noção de que veio, se encontra e seguirá, partirá. É meio missão, ser poeta.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...