sábado, 9 de março de 2013

OUTONO






Dias cinzentos,
O frio, gris intenso
As folhas tombam.

Nos recolhemos;
As lareiras acesas,
Os sonhos dormem.

Além do muro
Os pássaros cansados
Esperam verão.

Mata fechada,
Outono se derrama
Com folhas secas.

*

7 comentários:

  1. bELA POESIA. PARABÉNS E UM BELO FIM DE SEMANA

    ResponderExcluir
  2. Quanta beleza, quanta magia contagiante nos traz em seus versos, cara poetisa Ana. Não apenas este poema, mas todos que tenho lido, pois sou seu fã, embora nem sempre tenha tempo para comentá-los. Continue a nos brindar com tanta maestria e beleza. Bjs de parabéns também pela beleza do blog.

    ResponderExcluir
  3. Outono! O que representa o outono? Seria ele este exemplo de massas frias, de folhas que tamborilam e passam soltas diante de nós enquanto a lareira geme e os sonhos desenham a inquietude da próxima estação!? Diz uma grande poetiza (Ana Bailune) que sim! Ele é um sinal de repouso. Nele, até os pássaros, cansados, esperam o escorrer de lágrimas entre folhas secas... Almejam a novidade que está além do muro...

    ResponderExcluir
  4. Apesar do calorão de hoje, seus versos fizeram entrar janela adentro o doce clima do outono.

    ResponderExcluir
  5. Não apenas os pássaros, também nós, esperamos o verão...

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. O outono tem suas belezas mas confesso que gosto muito do verão. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...