domingo, 3 de março de 2013

Moinho




Gira a roda,
Esmaga sonhos,
Vira as páginas,
Move
O moinho.

Jorra a água nova.

Os raios da roda
Presos ao centro
Jamais se quebram...

Na torre, dormem
Corujas,
Pombos,
E o vento faz
Com que abram
Os olhos sonolentos
E lembrem...

Gira a roda,
Sob as nuvens cinzas
E o  céu azul,
Encimando
A grama verde
E as flores mortas.

Ah, que sede,
Que sede de vida,
Que gosto de morte,
Nessa água que escorre
Da roda que gira!

Velho moinho
Que é visto, ao longe,
Pelo caminhante
Que pisa em espinhos!

Parece uma fonte
Que salva,
Resgata,
Apascentando
A sede que mata!

Mas há as corujas
Dormindo na torre,
Há o vento,
Os pombos melancólicos
No escuro...

*






9 comentários:

  1. De quem é esta MARAVILHOSA imagem, ANA ?
    Logo os primeiros versos me fascinaram !
    Gira a roda,
    Esmaga sonhos,
    Vira as páginas,
    Move
    O moinho.


    Um beijo amigo e encantado com este moinho e tudo quanto acerca dele poetisaste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, João.A fotografia é minha: uma foto de um painel virtual enorme, que se encontra na Cervejaria Bohêmia, aqui em Petrópolis. A gente chega perto dele, e os trigais se inclinam, como se estivessem ao vento.

      Excluir
  2. Que coisa linda! Vontade é de ler ao som de notas de piano... São coisas de Ana.

    ResponderExcluir
  3. CONVITE: VOTAR NA MINHA POESIA
    Boa tarde minha querida Ana, hoje neste visitinha venho te fazer um convite, conhecer o blog do Thiago, Blog Ô TROCIM BÃO, se ainda não conhece , vale a pena conhecer, se já é seguidor, aproveitar para votar na minha poesia, pois estou participando da gincana que ele está realizado em homenagem a nós mulheres.
    O link da postagem é: 2013/03/mulher-ser-abencoado-professora-lourdes.html
    Entre , deixe comentário e vote na minha poesia, deixe comentário e vote na lateral do blog, é fácil , clicou no quadrinho, finalisa , clicando em votar. Ficarei grata!!
    Abraços uma linda tarde de Domingo

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde minha amada !
    Deixo o desejo em deleite ao ler esse encanto de poema.É o mesmo que admirar arte...
    bjsssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  5. MARAVILHA, ANA !
    A sensação é essa exactamente !
    Quanto desejava que em Portugal houvesse algo semelhante !

    Os meus parabéns renovados e a agradecer a informação tão prontamente prestada.

    Um beijo do GRIFO PLANANTE.

    ResponderExcluir
  6. Há musicalidade nos seus lindos versos. Belo, Ana! Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...