quarta-feira, 20 de março de 2013

Ventos





Ventos abastados
Voam, de passagem,
Por sobre os telhados.
Ventos arruaceiros,
Arrastando latas
Por ruas silenciosas
Na noite que se tranca
Sob os olhos fechados...

Vento que desfaz
Muitas esperanças
Sem dó, navalhadas...
Penugens de almas
Que voam pelos ares
Quais flocos desabridos
De espíritos contritos,
Almas esfaceladas.

Ventos que não medem
E nem pedem licença...
Derrubam, sem pensar,
As portas fechadas.




7 comentários:

  1. Sabe Ana, eu particulamente não gosto do vento, nunca gostei. Mas ele é um agente inspirador na poesia e de que eu faço uso algumas vezes.

    E como você deixou bem claro nas entrelinhas de teus versos, o vento leva muito mais do que podemos ver.

    Teu blog tá uma fofura com esse plano de fundo e essas borboletas caindo .
    :)

    bacios bella!

    ResponderExcluir
  2. Amiga os meus sentimentos por essas duas
    crinças que morreram. Realmente é difícil
    saber como os pais aguentam tal dor.
    A amiga permite que eu coloque este seu poema
    no meu http://sinfoniaesol.wordpress.com
    com os devidos créditos?
    Basta que o diga num comentário.
    Beijinhos
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema, Ana. Não gosto muito de vento, sobretudo este que consigo tudo arrasta! Seu blog está encantador, ficou muito delicado, parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Folhas de Outono está aqui,para ler mais uma postagem que escreves com maestria e aproveito para parabenizar o dia do Blogueiro,então nada mais justo do que vir até aqui para parabenizá-los.
    Que continuemos, por muitos e muitos anos,
    colaborando com uma Blogosfera ética,
    sem plágio e unida.
    Um viva pra você e um viva pra todos nós !!!!

    ResponderExcluir
  5. O vento é traiçoeiro. Leva bens e alegrias. Mas também leva as tristezas. Nunca fica muito tempo, mas deixa suas consequências. Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Gosto do vento, dos ventos. Gostei de "Ventos". Gostei muito, porque gosto da arte de Ana Bailune.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...