Sílabas






Enquanto escrevo, brotam as ideias. Geralmente, é assim; sento-me para escrever, e as ideias brotam, e não o contrário. Quando elas brotam antes que eu me sente para escrever - ou em momentos nos quais isto é impossível, porque encontro-me longe de lápis e papel, ou em alguma situação na qual escrever não é possível - as palavras fogem e não voltam nunca mais, nem que eu tente durante horas.

Adoro sentir as sílabas enquanto martelo as teclas do computador. O ruído das teclas sendo pressionadas, para mim, é o ruído da vida... mas também gosto de sentar-me lá fora com lápis e um caderno ou agenda velhos, e deixar os pensamentos fluírem. É como um exercício de autoconhecimento, e muitas vezes eu sinto que, se não fosse pelo que escrevo, se não fossem as sílabas que me procuram e me revelam, eu já teria sucumbido a alguma força externa que me destruiria. Talvez, tivesse enlouquecido!

Penso que todo mundo precisa ter uma válvula de escape. Alguns caminham, outros, pintam quadros, outros fazem análise, outros compõe músicas, e outros escrevem. Existem várias formas de expressão que nos permitem continuarmos razoavelmente sãos. Cada um deve encontrar a sua. 

Outra coisa que amo fazer, é observar a natureza. Não consigo ficar sem fazê-lo, nem que seja por apenas cinco minutinhos ao dia. É a minha outra forma de higiene mental. Quando dá, eu fotografo as coisas que eu vejo; aquele raio de sol no ângulo da parede, a flor que acabou de brotar, um passarinho, uma montanha, uma folha, uma paisagem... momentos que, se alguém não estivesse ali para captar, ficariam perdidos.

Lembro-me do meu primeiro telefone celular com câmera; cheguei a escrever uma crônica sobre ele! De repente, eu tinha todas as imagens que desejava aos meus pés, e saí feito louca fotografando tudo e todos. Ao colocar as imagens no computador, pensei: "Ok, e agora, o que fazer com tudo isso?" Eu ainda não sabia, mas continuei fotografando. O celular era simples, e as imagens, (até hoje são), amadoras... mas era a minha maneira de ver as coisas. Daí, entrei para um site de escritores e passei, após um tempo, a ilustrar meus textos com aquelas imagens. Pura diversão...

Tenho observado uma moça blogueira de Portugal, Piedade Sol. Vejo que talvez ela tenha começado como eu... no início, fotografava e compartilhava no Google +; agora, vi que ela tem um blog onde posta suas fotos e escreve sobre o que fotografou. Adoro visitá-la. E as imagens estão cada vez melhores.

Assim, a gente vai se divertindo, pois afinal de contas, o que é que vale a pena na vida, a não ser aproveitar da forma que a gente conseguir e da melhor maneira possível, fazendo aquilo que nos deixa felizes?


Comentários

  1. Também sento e elas aparecem...Incrível sensação tão boa,né? beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde minha querida Ana, desculpe esta fazendo a visita com um recadinho pronto, estava muito prejudicada com a tendinite e estou evitando digitar, mesmo estando bem melhor, graças a Deus.
    É preciso ter força e coragem para seguir em frente e este tem sido o meu lema. Como diz Renato Russo: “Quando tudo nos parece dar errado, acontecem coisas boas, que não teriam acontecido, se tudo tivesse dado certo”. Por isso mesmo estou aqui, com o recadinho colado, mas o importante é que lembrei de você e passei para te desejar muita luz no teu caminho nesta semana Santa, que inicia.
    Que o amor de Jesus encha os nossos corações de paz e amor ao próximo.
    Abraços, uma linda tarde.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo texto Ana, me fez lembrar da minha filmadora, nossa, tenho tantos filmes que preciso tirar um tempo para rever, pois era o meu passatempo predileto, hoje escrevo, mas adoro também poder filmar e fotografar os momentos lindos e simples também de nossas vidas!!!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA