quinta-feira, 21 de março de 2013

Lenitivo





Nos olhos, pupilas de pedra,
na boca, um gosto de vento..
No peito, um antídoto certo
Para todos os tormentos.

Basta esse céu sobre mim, 
E as cores aquareladas
De uma tarde, após a chuva,
Basta-me o dom da palavra...

Num canto, um canto de passaro
Enfeita a esquina da vida
Como um doce lenitivo
Para cada coisa perdida

E a poesia se espalha
Pelo fio da navalha
Que corta a corda que aperta
Soltando a voz que me falha.


3 comentários:

  1. UAU, tá escrevendo feito Cecília Meireles agora? Ou será uma mistura com Adélia Prado?

    Humm... acho que é Ana Bailune fazendo-me lebrar das duas rs!
    Tá lindo de doer esse poema...

    mile baci

    ResponderExcluir
  2. Sempre amei as tuas letras, mas agora estão com mais força inda! Uma obra pra ler e reler... Lindo demais Ana, parabéns! Meu carinho e admiração, Lu.

    ResponderExcluir
  3. Ana, e o dom da palavra você tem em quantidade.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...