segunda-feira, 4 de março de 2013

Não Te Peço Para Esquecer




Nem pretenderia que você se esquecesse do que foi vivido. Também sei que a tua dor é a maior do mundo, pois você perdeu aquilo que mais amava, de uma maneira tão dolorosamente longa... aos poucos... eu acompanhei o que você viveu bem de perto, e sei muito bem tudo o que você passou. O que todos nós passamos.


Não pretendo dizer que 'sei exatamente como se sente.' Não sei. Nunca saberei. Só você sabe, pois a dor de uma perda - principalmente uma perda como a sua -  é muito pessoal.

Algumas pessoas te dizem para esquecer, para continuar vivendo, para agarrar-se ao que ainda resta, mas elas não são você. Não acordam todos os dias na mesma casa onde alguém não mais está, e nunca estará; não precisam abrir um guarda roupa e lidar com a realidade das roupas que jamais voltarão a serem usadas, com as quais você ainda não teve coragem de lidar. Não tem que , bem no meio do noite, acordar com o som de uma voz que vem de longe, e que embora fale, está calada para sempre. Elas não são você. Elas não podem saber.

Não te peço que você se esqueça. Pelo contrário, eu peço que você se lembre, mas de uma outra maneira. Muito, todos os dias; lembre-se  do que foi bonito. Lembre-se dos momentos felizes, das horas em que ele chegava em casa cheio de assuntos e novidades, das risadas, dos amigos enchendo a casa, das tardes de pizzas e filmes, e até mesmo das briguinhas entre irmãos que você presenciava e com as quais tentava lidar da melhor forma possível. Saiba que tudo aquilo foi vida! 

Ele veio como um presente, com a missão especial de despertar os sentimentos - os mais profundos - de todos que conviveram com ele. Talvez tenha sido parte da missão dele, neste mundo, nos fazer mais fortes, capazes de enfrentar aquilo que muitos se julgam incapazes de enfrentar. Quem sabe, ele tenha vindo aqui apenas por um breve tempo, a fim de oferecer-nos as lembranças de dias felizes que ficarão para sempre...

Não fique focada apenas na perda; tente focar-se mais naquilo que ficou. As lembranças que estão guardadas na caixinha do coração, e que jamais irão embora, são suas! São nossas! Elas não são morte, são vida. A história de uma vida.  Pense que foi um privilégio ter convivido com ele, e que nós não seríamos quem somos se ele não tivesse existido.

Pense também - embora eu saiba que isto soa como um cliché (aliás, é um cliché)- que, esteja onde estiver, ele ficará muito feliz ao saber que continuamos, que somos gratos, que acreditamos em um reencontro que se dará. Eu acredito! Lembre-se sempre de que ele desejaria ver você feliz, que isto o faria feliz.

A morte é o destino de todos nós, embora muitos não tenham coragem de encarar esta simples e inevitável verdade. Uns apenas vão antes. Outros, vão depois. Mas todos vamos. E a vida por aqui, afinal, diante da Eternidade, não é tão longa assim. A vida é uma gota no tempo. A vida é uma sede, uma busca por uma verdade que um dia, conheceremos.

A vida é um rio para a morte, e a paisagem à margem desse rio, pode ser linda.... todos iremos na correnteza deste rio que existe, onde todos mergulharemos, finalmente.



9 comentários:

  1. Tão grande é a arte literária de Ana, que o leitor se sente a pessoa a quem se dirige a crônica. Como a perda de que se fala é inevitável e essencial ao entendimento de vida (é o que nos consola o sentido) as linhas de Ana verbaliza, e na primeira pessoa, aquilo que se passa na consciência de alguém, que pode ser qualquer um de seus leitores. Ana é de um recurso literário fantástico; e, por mim, agradeço às energias cósmicas a graça de acompanhá-la.

    ResponderExcluir
  2. ANA

    Gostei tanto destas tuas palavras que vão recomendar a sua leitura a uma prima minha que não tem um blogue !
    Sugiro que rectifiques no penúltimo parágrafo a palavra "desaria", pois querias ter escrito desejaria.

    Um beijo muito amigo.

    ResponderExcluir
  3. Ana, pra começo de assunto preciso dizer que vir em teus blogs é preciso estar com tempo porque você escreve lindamente e a gente fica aqui lendo e re(lendo) essas mensagens tão ricas de sentimentos e verdades. Seja em forma de poesia, contos ou mesmo esse texto/recado que enviou pra ELA, sei de quem falas.

    Essas palavras revigoram e dão alento, embora a dor seja somente dela e a gente não tem noção da ferida que foi aberta.

    Queria tanto te conhecer pessoalmente. Você deve ser uma pessoa incrível.
    beijos da amiga Lu
    fica com Deus!
    boa semana
    :)

    ResponderExcluir
  4. Escrevi "vão". Era vou, logicamente.
    As minhas desculpas.

    ResponderExcluir
  5. Ana,belíssimo e emocionante texto!Não há mesmo como esquecer uma pessoa querida que partiu antes de nós mas,lembrar dos bons momentos e festejar sua existencia é uma maneira de amenizar a dor!Linda msg!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  6. Passou um filme em minha mente, enquanto lia seu texto ... é tão difícil superar essa dor que fica quando perdemos um ente querido...
    Sábias suas palavras...
    obrigada por tão nobre leitura.
    Su

    ResponderExcluir
  7. Conversar sobre os momentos felizes e recordar os instantes vividos são formas de afastar a dor. Quanto maior o silêncio, mais ela cresce. Seu texto sensibiliza. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...