quinta-feira, 21 de março de 2013

Olhar de Vidro





Descansa em paz
Meu coração ainda quente
Na aspereza da tua palma,
Onde os sentimentos não brotam - nem brotarão...

Um solo estéril,
Aonde morrem até as almas,
No qual pisei,
 Em um momento
De insensatez.

Ah, a frescura da tua tez!...
Sedutora teia
Da mais vil aranha!

Teu olhar de vidro,
Que não enxerga os sentidos,
Vertente da indiferença
De uma quase-emoção tacanha!



2 comentários:

  1. um poema de desamor e com mesclas de tristeza.
    a foto (desfocada) está bem para o poema.
    um beijo

    obrigada!

    :)

    ResponderExcluir
  2. Talvez porque hoje onde resido esteja muito vento, escolhi o seu poema VENTOS.
    Agradeço muito ter disponibilizado os seus trabalhos. Está inserido no blogue
    http://intemporal-pippas.blogspot.pt
    Espero que esteja tudo bem.
    Beijinhos e obrigada.
    Irene Alves

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...