terça-feira, 12 de junho de 2012

FIGURA E FUNDO








Na faculdade, em um trabalho de psicologia, tive que juntar-me a um grupo. Nunca entenderei essa mania de obrigar as pessoas a fazer trabalhos em grupo. Nunca dá certo! Bem... mas isso é assunto para outra crônica.

Fiquei responsável pela parte mais difícil, claro. A que ninguém queria fazer: Gestalt. As outras alunas eram bem mais jovens que eu, e me olhavam meio-de lado; devem ter pensado: "Vamos dar trabalho a essa coroa aí..." mas confesso que foi divertido, pesquisar as figuras para colocar nas transparências, que ficaram tão boas, que a professora pediu-as de presente. 

Mas... o que é Gestalt? 

Tentarei explicar usando um trecho o livro "Manual Prático de Gestalt", de Àngeles Martín: 

"Imaginemos uma pessoa que se encontra lendo um livro, e de repente, sente qualquer tipo de necessidade biológica (sede, fome ou frio). À medida que esta necessidade vai se configurando e tomando forma no campo das sensações da pessoa, o que a princípio era atenção e concentração no que estava lendo- constituindo-se como forma, como foi o caso do livro - passa a converter-se em fundo, e a necessidade que vai se tornando mais imperiosa passa a converter-se em forma. Se a pessoa satisfaz sua necessidade, seja bebendo no caso de sentir sede, ou agasalhando-se, no caso de sentir frio, seu interesse se volta ao livro, que passa novamente a ser forma, e tudo mais constituirá o fundo. Isto é, o que era forma, passa a ser fundo, e vice-versa." 

Ou seja: nós temos tendência a nos concentrarmos naquilo que mais nos afeta em determinado momento, e assim, ignoramos um monte de coisas à nossa volta. Cada um de nós temos diferentes momentos de percepções sobre aquilo que nos rodeia. 

Continuando: 

"...Algumas pessoas vêem como formas (ou figuras) superfícies que a maioria vê como fundo. Podemos observar os exemplos mais claros disto nos espaços em branco" (o livro mostra a famosa ilustração da taça de rubi, que aparece em branco, e dos rostos que se encaram, em preto, na mesma figura; alguns observadores, enxergam logo os rostos em preto, enquanto outros, enxergam a taça branca, formada no espaço entre os perfis dos rostos). 

"Para a maioria das pessoas, os espaços em branco são percebidos como fundo, enquanto que para uns poucos (10% aproximadamente) estas superfícies são vistas como formas. Este tipo de percepção está estreitamente relacionado com determinados tipos de personalidades (agressivas, obsessivas e algumas paranoides). Este fato, e especialmente testes projetivos, serve-nos de exemplo para ver como a personalidade influi na forma de perceber a realidade." 

Assim, um terapeuta Gestaltista tenta trabalhar com seu paciente o que ele está evitando enxergar e o que é que ele espera - o que pretende - através de seu comportamento evitativo-fóbico (termo usado pelo escritor). 

Acredito que todos nós vivemos momentos durante os quais distorcemos a realidade, passando a enxergá-la como achamos que ela seja, ou como desejamos que ela seja. Podemos trabalhar para mudar esta percepção, pois quando todo mundo nos diz que estamos errados, é porque deve mesmo haver alguma coisa errada. Se não houver, precisamos pelo menos, ter certeza disto, parando para pensar um pouquinho e analisar a realidade que nos cerca/ou se estamos tentando 'cercar' a realidade. Caso a segunda opção seja verdadeira, temos que nos perguntar o porquê. 

E mudar. Precisamos eliminar e formar novas Gestalts ao longo da vida. Permanecer atolados em conceitos ultrapassados é como interromper a marcha do autoconhecimento e da percepção daquilo que nos rodeia. Mudar e aprender chama-se EVOLUIR. Sem evolução, pouco a pouco a vida passa a não mais fazer sentido, pois a pessoa vive a arrastar atrás de si assuntos que tiram-lhe a energia e a vontade de viver. Tornam-se, aos olhos dos outros, repetitivas e cansativas. Não crescem. Não mudam. 

Não amadurecem.




Um comentário:

  1. é... mas há que se analisar que junto das falas vem a quase invisível convencionalidade geral...que traz várias formas totalmente errôneas, aí no caso a maioria está errada e e a maioria das determinaçoes que veem dessa convenção, partiram de interesses obscuros das várias vertentes exploratórias do homem... bjuuu

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...