quinta-feira, 14 de junho de 2012

DAS SOMBRAS




Das sombras, nascerão rosas!
De dentro da escuridão
Brotarão das mãos Divinas...

Silêncio negro e profundo,
Que envolve e governa o mundo,
Adubo do renascer...


E ao reabrir dos olhos,
Surpresa e arrebatamento,
É isso que quero ver!

E mesmo na incerteza,
Nas sombras, plantarei rosas,
Que um dia, hei de colher...



¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*



¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*

2 comentários:

  1. Tão pequeno o poema e tão grande o efeito! Texto enigmático (polimorfo, altamente conotativo), quase bíblico, afirma-se como uma profecia. (Estou estudando português desde as 15:30h até agora, acho-me naturalmente cansado. Portanto, não arriscarei muitas palavras. Voltarei amanhã.)

    ResponderExcluir
  2. Permita que eu me corrija: estudei português até as 22:00h. A partir daí, mergulhei no seu blog, Ana. Só assombros... Mas tenho que dormir, tem a caminhada matinal, na orla. É saúde!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...