quinta-feira, 14 de junho de 2012

DAS SOMBRAS




Das sombras, nascerão rosas!
De dentro da escuridão
Brotarão das mãos Divinas...

Silêncio negro e profundo,
Que envolve e governa o mundo,
Adubo do renascer...


E ao reabrir dos olhos,
Surpresa e arrebatamento,
É isso que quero ver!

E mesmo na incerteza,
Nas sombras, plantarei rosas,
Que um dia, hei de colher...



¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*



¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*

2 comentários:

  1. Tão pequeno o poema e tão grande o efeito! Texto enigmático (polimorfo, altamente conotativo), quase bíblico, afirma-se como uma profecia. (Estou estudando português desde as 15:30h até agora, acho-me naturalmente cansado. Portanto, não arriscarei muitas palavras. Voltarei amanhã.)

    ResponderExcluir
  2. Permita que eu me corrija: estudei português até as 22:00h. A partir daí, mergulhei no seu blog, Ana. Só assombros... Mas tenho que dormir, tem a caminhada matinal, na orla. É saúde!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...