quinta-feira, 14 de junho de 2012

Dona do Mundo



Dona de tudo, proprietária,
Por ela, e só por ela,
Passavam os que saíam
E os que entravam...

Porteira sagaz,
Tão seletiva,
Ia cortando a todos 
Que não tinham laços,
Cujos passos,
Não conseguia amarrar!

Mas lá no peito, uma amargura,
E uma vontade de morrer,
De chorar!
Matava a liberdade
Porque tinha medo de voar!


2 comentários:

  1. Continuo apanhando em seu blogue, mas insisto, vale por tudo. Sobre liberdade gosto de ser repetitivo, é o maior bem que a personalidade exerce, sem ele inexiste personalidade. Diga-se, maior que a vida, pois vida sem liberdade não é vida, embora a vida tenha o emblema de bem maior protegido pela lei a maior tutela. É isso percuciente cronista, salvadora feliz de um ser tão delicado quanto grandioso, o beija-flor. Tenho o prazer de ficar entre dezenas na casa de meu filho na serra, na varanda, onde chegam para sugar a doce água que meu filho, religiosamente, destina a eles diariamente. É uma festa, zumbem em volta de mim. Abr. Celso

    ResponderExcluir
  2. é o medo se nao for bem dosado impede a vida de (viver). belo !! olguinha

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...