terça-feira, 12 de junho de 2012

Existência




Confabulamos, falamos...

Supomos e até dizemos que adivinhamos
Mas não sabemos, ao certo,
O que significa existir.



Pensamos conhecer
E até nos atrevemos
A descrever a vida
E a clamar verdades
Desconhecidas!



Alguns acham-se médiuns,
Tentando adivinhar 
O caráter alheio,
Mas não possuem olhos
Para o que há em si de feio.



Deus, dá-me, todos os dias,
A minha parcela
( a que é minha)
De dores e de alegrias!



Ajuda-me a suportar
O que eu não posso mudar,
E a tolerar aqueles
Que acham-se poderosos
E pensam adivinhar-me...



Que a minha soberba
Jamais seja disfarçada
Sob a alcunha de humildade!
Que a minha inveja
Jamais seja chamada 
De altruísmo e de verdade,
E que o que há de pior em mim
Possa sempre ser tratado
Ou ao menos, melhorado,
Mas jamais disfarçado!



Que eu não crie mentiras
Sobre as verdades alheias,
E nem me ache melhor 
Que as outras criaturas,
Pois deste modo,para mim,
As minhas estruturas
Serão suficientemente fortes
Para sustentar a mim mesma
Seja na vida
Ou na morte.

Um comentário:

  1. Seu pedido é sublime. Nem sempre conseguimos nos calar e nos abstermos de julgar. Mas podemos, em constante exercício, buscar a verdade, mantendo o equilíbrio e o respeito. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...