quinta-feira, 14 de junho de 2012

Destinação - do meu livro "Vai Ficar Tudo Bem"





Um por-de-sol à minha frente,
Por trás do ombro,  lua crescente...
Por baixo, a estrada que me leva
E que eu sigo, incontinenti.

Às vezes, rio de contente,
E noutras, rio derramado
Tal qual a lava ainda quente
De algum vulcão eruptado.

Invento verbos, traço traços
Que nunca mais serão traçados,
Destroço o próprio peito, `a guisa
De alguma brisa tifonada.

E o que restar, não será nada
Após a minha longa busca
A fosca luz qu'inda me guia
Há de brilhar na noite escura.

Sei que haverá alguma agrura,
Mas é o horizonte que me guia
E às vezes, uma estrela fria
Que se esconde atrás da lua.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

3 comentários:

  1. Gosto muito da forma como tua poesia vai esculpindo as imagens ao longo dos versos. Parabéns, Ana! Beijos

    ResponderExcluir
  2. Hola Ana, hermoso poema, un placer leerte.
    feliz fin de semana.
    un abrazo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...