domingo, 10 de junho de 2012

Eu Queria Ser Borboleta




Muitas vezes nos perguntam
Que bicho seríamos,
Se bichos fôssemos. 

Nunca, jamais ocorreu-me um outro:
Queria ser borboleta,
Pois não conheço maior beleza
Do que a de  ter asas de seda
E cores tão harmoniosas e intensas...

Não conheço maior vantagem
Do que ter uma existência breve
Vivida de flor em flor,
A espalhar a vida e o pólen...

Manchas de cores na manhã de verão,
Fadas encantadas nas tardes de primavera,
Pontos de calor em dias de inverno,
Encanto fugaz em meses de outono...

Borboleta, é isso que eu queria ser,
Ao sabor do vento,
Inspirando versos.
E de minha vida fugaz e breve,
Ficaria quase nada,
Apenas uma lembrança leve
Da beleza mais intensa, que doou-se
Por ser bela, simplesmente.

5 comentários:

  1. Bela poesia! Ser uma borboleta já é poesia!Beijos

    ResponderExcluir
  2. Convido-te a conhecer um Homem de papel
    Convido-te a olhá-lo num espelho de água

    Bom fim de semana

    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  3. Teu poema seria metamorfoseado
    tantas vezes
    num uni-verso sem fim
    não seria uma vida
    tão breve assim
    a vida de uma borboleta
    é quase uma eternidade
    ela vem na Gaia
    apenas para escrever
    com seus polens
    lições sobre a vida
    eterna
    sua aula é que dura
    apena um dia.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  4. Lindo seu poema, Ana.
    Ser borboleta é ser livre, leve, solta, na delicada arte de viver.
    Boa semana, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...