quinta-feira, 14 de junho de 2012

Alma no Papel





Ponho a alma no papel,
Mas não há papel
Sendo interpretado.
Não sou personagem
Da minha própria vida.

Sou real,
Tenho cara, sentimentos,
Assino embaixo
De tudo o que digo
Com meu próprio nome.

Para mim, é assim
Que deve ser.
Não me importa o que seja
Para você.

Somos livres!

Um comentário:

  1. Ana,muito linda e terna poesia!Bjs e meu carinho!Seu livro já está no Recanto!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Creem em mim

Não creem em mim quando eu digo Que eu a vi, Bem ali, naquela nuvem Que desliza entre as duas montanhas. Eu te diria,...