terça-feira, 26 de junho de 2012

Dê-me!







Dê-me!




Dê-me um sentimento único,


Aquele que ninguém jamais sentiu,


E eu te darei um poema inédito,


Novinho em folha, e será meu o crédito!


Dê-me uma palavra nova, 


Que jamais tenha sido pronunciada, 


Ou uma frase que jamais foi dita, 


E eu te darei uma história nunca antes contada! 



Dê-me um vento que nunca soprou, 


Uma flor que está sempre um minuto antes 


Do desabrochar, 


Dê-me um amanhecer que ninguém jamais viu, 


O por de um sol 


que permanecerá sempre 


a um segundo 


de tocar o horizonte, 



Dê-me uma lua que ninguém jamais olhou, 


Ou estrelinhas, de tão novas, a tilintar, 


E te darei uma história recém -nascida, 


De um poema inédito, desta vida 


Ou de outra que ninguém jamais viverá. 



Um comentário:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...