segunda-feira, 15 de abril de 2013

Vazia




Eu às vezes esvazio-me
De tudo, de todos, de mim,
Prendo o olhar nalguma nuvem
E me deixo ir com ela,
Para onde me levar...

Leve e vazia, pairo no ar,
Como quem sofre anestesia
Sem nada querer ou pensar,
Sem crer ou sem duvidar.

Misturo-me à brisa que passa,
Às folhas das árvores, à chuva,
Descanso na pétala orvalhada
Das pupilas de algum olhar.

Eu às vezes esvazio-me
De tudo, de todos, de mim,
E somente a poesia
De mansinho, eu deixo entrar.


8 comentários:

  1. Que suavidade, que doçura!
    Não sou muito fã de poema romântico, mas achei bem escrito, e fofo haha
    deve ser romântica ^^

    parabéns pelo blog


    Hey, te aguardo pra um comment lá ^^
    diademegalomania.blogspot.com

    abraço

    ResponderExcluir
  2. ANA

    Foi hoje, finalmente !!!

    Era uma vergonha ver os dias passar, um atrás do outro, e eu sempre sem tempo...

    Gosto imenso deste VAZIA !

    Não encontraste um grifo a planar ao lado dessa nuvem a que te prendeste ?

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Hã dias em que é necessário e produtivo ficar vazia. Como sempre, adorei seu poema, Ana. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Também me sinto assim tantas vezes... lindo aqui!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Que momento de liberdade, Ana! Muito bonito e convidativo à meditação. Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Que gostoso se deixar! Ficar vazia e ter esta percepção de ver a poesia entrar!
    beijos.

    ResponderExcluir
  7. LINDO!! Tão bom quando conseguimos assim nos sentir. ESVAZIAR pra depois reencher...beijos,chica

    ResponderExcluir
  8. Nada melhor que a poesia para preencher o vazio intencional. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...