terça-feira, 23 de abril de 2013

Prisão




Agitava-se,
Sonhava com a liberdade
Que estava do outro lado da vidraça.
Às vezes, se aquietava,
Como a ganhar forças
Para romper o que as separava.

Não via a porta aberta atrás de si,
O enorme espaço que se estendia,
E lhe oferecia a saída
Para a sua desolada situação.

Debatia-se na vidraça,
Sonhando com a liberdade
Que sobre suas asas, docemente soprava.


5 comentários:

  1. Esse é um tipo de cegueira muito comum!
    O poema é lindo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. E quantas vezes nos encontramos na mesma situação! Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Ana,
    Possuo uma paixão enorme por borboletas. Suas cores e, o seu voar sedutor encantam-me desde criança.

    Uma poesia intensa e, nostálgica.
    Ana

    ResponderExcluir
  4. Em poucos versos, Ana nos mostra o verdadeiro sentido da vida, que, pra ser vida, tem de ser liberta. É Ana!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...