Prisão




Agitava-se,
Sonhava com a liberdade
Que estava do outro lado da vidraça.
Às vezes, se aquietava,
Como a ganhar forças
Para romper o que as separava.

Não via a porta aberta atrás de si,
O enorme espaço que se estendia,
E lhe oferecia a saída
Para a sua desolada situação.

Debatia-se na vidraça,
Sonhando com a liberdade
Que sobre suas asas, docemente soprava.


Comentários

  1. Esse é um tipo de cegueira muito comum!
    O poema é lindo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. E quantas vezes nos encontramos na mesma situação! Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Ana,
    Possuo uma paixão enorme por borboletas. Suas cores e, o seu voar sedutor encantam-me desde criança.

    Uma poesia intensa e, nostálgica.
    Ana

    ResponderExcluir
  4. Em poucos versos, Ana nos mostra o verdadeiro sentido da vida, que, pra ser vida, tem de ser liberta. É Ana!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA