sábado, 13 de abril de 2013

Laranjas





Eu ontem colhi laranjas.
Os pomos de ouro pendiam
Aos montes,
No fundo do meu quintal.
A laranjeira, feliz,
Após eu livrá-la do peso,
Doava todos os frutos
Sem nenhum medo.

As laranjas se soltavam,
Ao toque de minha mão,
Sem a menor resistência...




Eu ontem colhi laranjas,
E dentro delas, sementes
Da árvore-mãe doadora
A quem jamais voltarão.

Levavam saudades no suco,
Despiam as cascas maduras
Que sem a menor cerimônia,
Eu deixava pelo chão.


7 comentários:

  1. Maravilhosa poesia e bem profunda...Adorei! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amiga Ana, que lindos versos, amei, laranjas colhidas em seu quintal? Nossa, isso é a glória!
    Maravilha da natureza, amo a natureza, aqui em casa,meu marido e eu,cultivamos pequenas árvores frutíferas em grandes vasos, os frutos são pequenos, mas a natureza não falha nunca, são lindos e saborosos, temos limões, jabuticabas, uvas, amoras, romãs,pitangas e até hortaliças, flores também, ih, me entusiasmei, aqui em São Paulo, capital é só assim mesmo, grande beijo amiga, amei seu post!

    ResponderExcluir
  3. Que versos tão lindos!
    Beijos e laranjas. ;)

    ResponderExcluir
  4. Os frutos, a natureza nos oferece, com prazer. Ficou belo seu poema. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde, Ana. Colher frutos prontos, maduros, com a sensação de liberdade e hora certa é bom demais.
    Entrega perfeita de uma colheita saudável, uma vez que no passado, as sementes eram boas.
    Linda poesia, Ana.
    Beijos na alma e excelente fim de semana!

    ResponderExcluir
  6. Lembrei da minha infancia, assim, colhia, comia, e tudo tao simples.
    Hoje a saudade de um tempo sem cobranças e muito natural.

    Beijos e otimo domingo.

    ResponderExcluir
  7. Ana, genial essa sua inspiração. Adorei sua postagem.

    Grande abraço
    Manoel

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...