segunda-feira, 8 de abril de 2013

Última Fileira




Daqui,
Da última fileira,
Junto á porta aberta,
Dá pra ver a rua,
A calçada,
O canteirinho de flores
Perto do banco da praça.

Daqui, assisto ao filme
Sem sentir falta de ar,
Sem ser atrapalhada
Ou atrapalhar.

Daqui,
Da última fileira,
Posso usar chapéu,
E até cartola, se quiser!

Masco minha goma,
Faço minha bola,
E até arrisco 
Um telefonema...

Não tem problema,
Se eu tiver que ficar
Sempre aqui,
De bobeira,
Na última fileira!


8 comentários:

  1. Ana,os ultimos serão os primeiros e a ultima fileira tem mesmo algo de mágico!Ficou linda a sua poesia!Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Que lindo! A última fileira pode ser uma excelente opção. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Ana, adorei o "conforto" desse poema. Dá para fazer tudo o que a gente tem vontade sem incomodar ninguém. É uma situação de equilíbrio total, não é?
    Parabéns pela criatividade.
    Um grande abraço
    Manoel

    ResponderExcluir
  4. um lugar para se ver o mundo em paz! também quero rsrs

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...