segunda-feira, 8 de abril de 2013

Última Fileira




Daqui,
Da última fileira,
Junto á porta aberta,
Dá pra ver a rua,
A calçada,
O canteirinho de flores
Perto do banco da praça.

Daqui, assisto ao filme
Sem sentir falta de ar,
Sem ser atrapalhada
Ou atrapalhar.

Daqui,
Da última fileira,
Posso usar chapéu,
E até cartola, se quiser!

Masco minha goma,
Faço minha bola,
E até arrisco 
Um telefonema...

Não tem problema,
Se eu tiver que ficar
Sempre aqui,
De bobeira,
Na última fileira!


8 comentários:

  1. Ana,os ultimos serão os primeiros e a ultima fileira tem mesmo algo de mágico!Ficou linda a sua poesia!Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  2. Que lindo! A última fileira pode ser uma excelente opção. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Ana, adorei o "conforto" desse poema. Dá para fazer tudo o que a gente tem vontade sem incomodar ninguém. É uma situação de equilíbrio total, não é?
    Parabéns pela criatividade.
    Um grande abraço
    Manoel

    ResponderExcluir
  4. um lugar para se ver o mundo em paz! também quero rsrs

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...