segunda-feira, 29 de abril de 2013

São Nossos





Aquela flor junto ao muro,
O pássaro pousado no galho
Que voa livre, quando bem quer,
A paz, o amor, o sonho
Da vida o mister,
Não são meus nem seus, 
São Nossos!

O céu imenso estendido
Por sobre as cabeças humanas
Também se estende, generoso
Sobre todas as outras cabeças!

O mundo,
Tal qual ele é
Ou como o tornamos
Através da nossa fome desmedida,
O mundo que subdividimos 
Em fétidos feudos
Que são 'dele', 'teu 'e 'meu,'
É nosso!

A paz que eu tanto desejo
E a paz que tu almejas,
Os sonhos que acalentamos
E aqueles que matamos
Através de nossas pelejas,
Não são meus, nem teus,
São nossos!

Sob a terra, os nossos ossos
Um dia, irão estar...
E o espírito já livre,
Viajará
Para um outro lugar,
Onde 'meu' e 'teu' não moram,
Onde encontraremos, enfim,
Apenas o que é nosso.



10 comentários:

  1. muita verdade em teu poema. um dia tudo será de todos. olguinha

    ResponderExcluir
  2. Um poema em forma de ninho
    mas voa como pássaro
    tecidos por versos de pura
    esperança
    sobre a morte que nos leva
    embora
    mas agora a flor brota
    perto do muro
    e os pássaros voam com suas
    asas
    livres da gaiolas.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana!Se pensarmos bem nada temos e nada somos sozinhos!Linda demais a sua poesia!bjs e boa semana pra vc!

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde linda Ana, lindos versos, um dia por "lá" encontraremos sim somente o que é nosso,mas amo saber que o lindo céu, os pássaros, as lindas flores e tudo o mais que há nesse imenso universo são nossos!!!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, Ana! Você tem uma sensibilidade que é íntima e que guardas como tesouro escondido, sem mapa. Porém te tornas real por intermédio de tuas letras, teus mimos líricos, como esse poema... Tão sonoro, tão vivo e palpável somente para quem sabe sentir.

    Bj e fã

    Lu C.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana
    Muito lindo. Só seremos no singular depois da morte. Aqui vivemos o coletivo.
    Bjux

    ResponderExcluir
  7. O ser humano e seu egoísmo... se refletirmos vemos nada nessa vida é meu ou é seu... tudo é nosso! Nascemos para compartilhar tudo o que nos é emprestado. Quando deixamos a vida, o que levamos? Muito lindo o seu poema! Bjks Tetê - Avaliando a Vida

    ResponderExcluir
  8. A sensibilidade, a poesia que patenteias em cada poema são factos assinalaveis sempre !
    Hoje, ANA, antes que voltasse a falhar, destaco este teu final :


    Sob a terra, os nossos ossos
    Um dia, irão estar...
    E o espírito já livre,
    Viajará
    Para um outro lugar,
    Onde 'meu' e 'teu' não moram,
    Onde encontraremos, enfim,
    Apenas o que é nosso.

    Um beijo e até daqui a uns dias.

    ResponderExcluir
  9. Encontraremos o que é nosso, sem pele sem osso,
    Somente o que o nosso: O paraíso, um lugar impossível de imaginarmos.
    Seremos a rosa sem precisarmos nos esconder atrás de muro,
    A liberdade dos pássaros será o nosso gozo.

    ResponderExcluir
  10. Quem dera o pronome fosse sempre esse, afastando os possessivos meu e seu. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

COMO MANTER A CALMA???

Eu estou na santa paz do meu lar, tentando meditar a fim de tornar-me uma pessoa melhor, quando o telefone toca. É um daqueles ...