Chuva Fresca





Cheiro de terra molhada,
No talo vergado
A gota pesada.

Barulho de chuva,
A pobre saúva
Presa
Na correnteza.

A calha que escorre
Água dos telhados
Bueiros bem cheios...

Aroma tão fresco,
Aroma tão verde,
O cheiro da chuva
A alma desnuda...

A tarde lavada,
Na xícara, o chá
Vidraça fechada.

Comentários

  1. Poesia gostosa. Ao ler, É como se estivesse vendo a pobre saúva presa, sentindo o aroma verde e o frescor das águas numa tarde com vidraças onde a alma desnuda-se em versos

    Tudo bem Ana?

    ResponderExcluir
  2. Você pinta qualquer cenário com realidade e beleza. Mais uma vez, me encantou. Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA