quinta-feira, 18 de abril de 2013

No Rosto










No Rosto


No rosto, rugas e rusgas
Da vida, as marcas
Rotas,
Arranhões do tempo,
Retratos de um coração
Despedaçado
Cujas partes ainda rolam
Por um chão sem pecados,

Pois como chamar de pecado
Aquilo que alguém escolhe,
Pensando que é o melhor?
As rotas da vida
Riscadas à ferro e fogo,
Pés queimados - pecados pagos.

Rugas e rusgas, retratos
Armazenados no peito,
Momentos guardados para sempre
Dissolvendo-se nas lágrimas
Que resvalam pelas rugas
Vagarosamente, antes de caírem.

Mas posso dizer sem medos:
Tua história é simples,
Não é melhor ou pior
Do que a minha.
Te olho nos olhos, e me vejo,
Pego a tua dor comprimida
E estendo-a em meus poemas,
Para te trazer, quem sabe,
Algum alívio.
















Um comentário:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...