Órfãos







Aos dez, vinte, trinta ou cinquenta,
Se os pais morrem, somos órfãos.
Ninguém por nós.
Nada de suco de laranja,
Se tivermos um pesadelo à noite.
Por mais velhos ou frágeis,
Os pais são ícones de proteção,
São uma imagem de força
Na vida de seus filhos.

E um dia, eles se vão,
Partem naquela rua, na contramão da vida,
Ficam fechados para sempre
Naquela caixa de madeira,
As mãos cruzadas sobre o peito,
Um terço entre os dedos.

E nós,
Ficamos órfãos.


Comentários

  1. Lindos versos onde se retrata a dor da separação física dos pais que se vão, isso é dor sem fim, mas para o bem dos espíritos que "se foram" é bom aceitar a acreditar que eles sempre estão e estarão eternamente vivos em nossos corações!
    Beijos amiga linda!

    ResponderExcluir
  2. Triste realidade, Ana! Resta o consolo de saber que elestiverem, continuam velando por nós.

    ResponderExcluir
  3. Belos versos sobre a velha
    morte
    mas aprendi que a lagarta
    deixa a casca
    e vai embora voando
    para outros mundos

    Quanto a minha mãe
    continua levando chá
    para adormecer minha insonia

    Quando eu estou lendo os poemas
    da Bailune

    Mui belo

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  4. Uns versos que retratam uma realidade que eu já vivi duplamente.
    Estão muito bem escritos. Mas é triste que haja razão para os escrever.
    Desejo que esteja bem.
    Muitos beijinhos
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  5. Concordo com você. Pais são figuras que, perdidas no tempo, cada vez crescem mais no nosso conceito. Poema longe da perfeição. (Jô)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos