segunda-feira, 8 de abril de 2013

Cartões





Abro a gaveta, e lá no canto
Cartões de antigos natais
E aniversários.
Tua letra caprichada, teu nome assinado,
Desejos de saúde e felicidades,
Lindas palavras...

Fico pensando no que sentias
Enquanto, com carinho, os escrevias...

Abro-os com todo cuidado e zelo,
E vão caindo, sobre os pelos
Dos meus braços,
Um fino pó de passado,
Em purpurinas multicoloridas.

Ah, no que se resume a vida!...



                                                        

2 comentários:

  1. Gostei! Gosto de minúcias, elas são intermináveis

    ResponderExcluir
  2. Essas lembranças nos permitem um visita ao passado. São nossas. São preciosas. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Creem em mim

Não creem em mim quando eu digo Que eu a vi, Bem ali, naquela nuvem Que desliza entre as duas montanhas. Eu te diria,...