Intensivos e Imersões






A moça perguntou-me, após os primeiros dias de aula:

-Eu quero saber qual o meu nível de inglês. Enfim, o que eu preciso melhorar!
-Eu já disse: você é nível intermediário, e estou totalmente focada nos pontos de gramática que você necessita melhorar, que são principalmente (repeti o que havia dito durante a avaliação). Também estou focando no vocabulário que você precisa para melhorar sua fluência. Já conversamos sobre isso na avaliação.

Ela não pareceu convencida. Na aula seguinte, veio com novidades:

-Veja! Inscrevi-me em um curso de imersão no final de semana!

E começou a desfiar todas as vantagens que um curso de imersão traria. O preço por um simples final de semana? Pelo menos, doze vezes o preço da minha mensalidade. Tentei não demonstrar meu ceticismo, e aguardei. Na aula seguinte, ela veio toda animada, mostrar-me uma linda pasta bege plastificada, com toda pompa e circunstância, decorada com um interessantes brasão dourado; dentro da pasta, em páginas timbradas, uma avaliação formal do seu nível de inglês, os pontos gramaticais que ela precisava melhorar e sua classificação: nível intermediário.

Peguei a minha humilde avaliação, e comparei com a que ela havia trazido: dizia exatamente a mesma coisa, apenas a apresentação não era tão luxuosa. Acho que, pensando no dinheiro que havia gasto, desconcertada, ela ainda desfiou-me as vantagens do curso: professores nativos (embora  uma delas fosse brasileira), um ambiente tranquilo e voltado ao ensino (exatamente como aqui em minha sala de aula), hospedagem confortável e... bem, não conseguiu pensar em mais nada.

Se você tem dinheiro - bastante dinheiro - para pagar por um curso de inglês de imersão, tempo disponível e um nível de inglês que varie entre intermediário e avançado, não deixe de fazê-lo! Mas um simples final de semana não lhe proporcionará vantagem alguma. 

Quanto aos cursos de inglês intensivo, pense bem: você não aprenderá em um ou dois meses o que poderia aprender em um ano. Não mesmo! Poderá ter uma base para começar um curso regular, mas ninguém - eu tenho certeza absoluta, pois já lecionei em cursos que oferecem esta modalidade - sai de um curso intensivo falando inglês fluentemente - muitas vezes, sequer sairá falando inglês. Mas se você já fala inglês, apenas anda um pouco 'enferrujado' e deseja praticar para uma viagem, obterá bons resultados.

Observo os alunos de nível básico que me chegam, sempre com muita sede ao pote: "Quantos horários disponíveis você tem?" Peço-lhes que se acalmem, tomem horários regulares - duas horas por semana - alguns acreditam em mim, enquanto outros, insistem em fazer duas ou três horas ao dia, mesmo após eu informar-lhes que isto não fará com que falem inglês fluentemente em um mês. Passados um ou dois meses, os mais apressados acabam desistindo, e perdem  o que conquistaram.

O ideal para que se aprenda inglês, segundo a minha própria experiência como ex-aluna e atualmente, como professora, é:

-Duas horas de aula por semana, no mínimo, e três horas, no máximo. Isto se você for aluno de nível elementar. Se for intermediário ou  avançado e quiser apenas 'desenferrujar', quanto mais horas, melhor.

-Sempre revisar, após a aula, todo o conteúdo que foi dado. Fazer as tarefas de casa, não deixando que elas se acumulem.

-Ouvir música, assistir a filmes com áudio e legendas em inglês, ler artigos, enfim, jamais perder a chance de praticar fora da sala de aula.

-Ir a todas as aulas, ser assíduo, principalmente enquanto estiver  assimilando as estruturas básicas da língua. Neste período, não desista do curso, custe o que custar; se, ao chegar ao nível intermediário, você desejar fazer uma pausa, tudo bem; mas não o faça durante o nível elementar, ou terá que recomeçar do zero.

-Segure a sua ansiedade! 'Recuperar o tempo perdido' tentando ocupar várias horas de aula por semana, mais as horas que já dedica ao trabalho e à família, não dará certo, e será um fator desmotivador, já que você não desistirá do emprego e da família para ter mais horas livres e poder descansar; desistirá do inglês!

-Se tem amigos estudando inglês, converse com eles e pratique. 

-Fuja das armadilhas dos cursos que prometem 'cursos rápidos de inglês para viagem', pois eles apenas o ensinarão frases básicas de conversação, mas como as respostas que obterá em conversações reais podem ser inúmeras, suas frases prontas não o ajudarão muito em contextos reais de conversação. Se pretende viajar com algum conhecimento da língua que possa lhe ser realmente útil, comece a estudar com, pelo menos, seis meses de antecedência. E seja assíduo e participativo. Cumpra todas as tarefas. Enfim, dedique-se!

-O trabalho de um professor não surtirá efeito se você não fizer o seu. Inventar desculpas para o dever de casa que não foi feito não significa enganar o professor, e sim, enganar a si mesmo.

Lembro-me de que quando eu fazia meu preparatório de inglês, trabalhava o dia todo, de segunda à sexta, e também aos sábados pela manhã; tinha a casa para cuidar e pilhas de tarefas caseiras de inglês para fazer toda semana. Eram páginas e mais páginas de provas simuladas e redações dificílimas, textos enormes a ler e interpretar e páginas e mais páginas de gramática no livro. Fazia tudo no domingo de manhã; acordava ás sete e ficava até meio-dia estudando e fazendo minhas tarefas. Portanto, quando a gente quer realmente obter um bom resultado, não existem desculpas.


Comentários

  1. Lindo Dia Ana.Lendo a teu texto comecei a me enxergar,sabe eu vejo por mim,Inglês é algo que se tem que gostar,pois já comecei e guardei este curso uns 3anos..Afff não gosto mesmo.Boa Sorte pra você e para seus alunos apressadinhos.rsrsrBjus\Flor*

    ResponderExcluir
  2. Vida de Professora é dura, mas deve ser gratificante, porque ela ensina até comentando. Aprendi algo, Professora. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Interessante este texto. Eu não falo nem português direito, mas minha filha entrou na aula de inglês com 03 anos de idade, hoje está com 21 anos, tem diploma, não dá aula porque não é a sua praia. Há cerca de 06 meses atrás, estava fazendo aulas de conversação com uma professora de inglês. Fez estas aulas por cerca de 04 meses. Achava que aquilo era desnecessário, mas após ler este texto, vejo que estava errado. Obrigado!

    ResponderExcluir
  4. Eu precisava ler o seu texto (rss). Já pensei, algumas vezes, em fazer um desses cursos rápidos e vejo, pelo que mencionou, que de nada vai adiantar. Minhas noções do idioma vêm do antigo curso ginasial. Dá para você imaginar meu nível (kkk). Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana! Maravilhoso o seu post! Nada instantaneo é bom, né? Eu tentei fazer curso de Inglês mas acabei desistindo por não ter com quem conversar. A gramática, se compararmos ao Português, é até fácil de assimilar mas a conversação tem que praticar. O que adianta ler, escrever e não saber conversar? Bjks Tetê - Avaliando a Vida

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA