segunda-feira, 6 de maio de 2013

Prazer, Apenas






Ele aparenta mais de oitenta anos de idade, e possui um pequeno café aqui na minha cidade. Às vezes, passamos por lá - principalmente aos finais de semana - e paramos para curtir alguns minutos de paz em seu café. Ele é conversador, possui uma alma fina e carismática e adora servir.

Infelizmente, o shopping onde o café se localiza, não vai muito bem... a maioria das lojinhas já fecharam. Dizem que é por má administração, mas na verdade, acho que outros fatores também influem: quem vem até Petrópolis nos finais de semana, não vem para comprar, e sim para comer, passear e relaxar. Acho que ele e seu pequeno negócio ainda sobrevivem exatamente por causa disto: é possível comer e relaxar ali.

Mas apesar de tudo, percebo que ele está ali por um outro motivo, muito além do lucro: fazer o que gosta e ser feliz. Existem prazeres na vida que o dinheiro não pode comprar. E é por eles que ele mantém seu café aberto: os bolos deliciosos, os muitos chás importados - cujas histórias ele faz questão de contar - os cafés preparados artesanalmente, sem  o uso de máquinas, os pequenos chocolates... e as conversas.

Descobri que é assim que eu quero viver: por gostar. Fazer aquilo que me dá prazer, com ou sem reconhecimento. Se ele vier, melhor; se não vier, o prazer de fazer o que gosto já será a minha recompensa.


Um comentário:

  1. Olá!
    Bom dia
    Ana
    ...fazer o que gosta e ser feliz.Sem outras maiores intenções. Estar feliz é algo que vem de dentro.E ser feliz só é lindo, mas não tem nada melhor do que ver uma felicidade compartilhada. Poder dividir com alguém...que ele seja feliz em seu "café" sempre e possa compartilhar com todos que o "visitam".
    Vi semelhança entre Seu "personagem" e alguns blogueiros:fazer o que gosta e ser feliz , sem esperar maiores reconhecimentos e vantagens onde não tem.
    Belo texto.
    Obrigado pelo carinho da visita
    Boa semana
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...