sexta-feira, 3 de maio de 2013

Entrega






A ti, somente a ti
Dei tudo o que já nem tinha:
Tantos sonhos e esperanças,
Desejos que eu nem sentia.

Beijos que eu roubei de mim
Como quem se magoava,
Um coração bem fechado
Cuja chave, tu guardavas.

Por ti, e somente por ti
Esperei, sem esperanças...
Ansiosamente, aguardei
E o que recebi, perdi...

Tu, antítese do amor,
Pegaste a dor que eu sentia
E ao final daquele dia,
Devolveu-a bem maior
Do que eu poderia supor!

Tu, cantor dos meus anseios,
Te aninhaste entre meus seios
Paralisando, absorto,
Um coração quase morto.


9 comentários:

  1. Adorei vir conhece-la amei o blog ,um bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana
    Mesmo quando estamos apaixonados, temos que tomar cuidado com a entrega total, para não nos machucarmos.
    Bjux

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, Ana! Só um amor do tamanho do mundo nos leva a essa entrega total! Bjks Tetê - Avaliando a Vida

    ResponderExcluir
  4. Ana, lindo poema, muitas são as entregas, muitas são as dores, mas viver é isso!
    Paixão talvez?! A paixão é dor, muito confundida com o amor!
    Abraços minha linda poetisa!

    ResponderExcluir
  5. Entrega mais linda e emocionante
    Bela poesia...
    Adorei
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Belo poema, Ana. Os desencontros amorosos provocam uma dor danada!

    ResponderExcluir
  7. Dolorido, mas precioso...
    Feliz fim de semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Exatamente o tipo de poema romântico que gosto de ler e aprecio. A humanidade tem que entender que jamais existirá complemento numa relação. Pois, as pessoas sequer conhecem a si próprias... Como esperar que o outro (a) complemente o que não sabe e desconhece... Lindos versos amiga, aplausos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...