quarta-feira, 22 de maio de 2013

A Emenda e o Soneto



Às vezes, a gente se cansa
De aparar arestas,
Consertar buracos,
Emendar sonetos
E tapar as frestas.

Então, aprendemos
Que a melhor escolha,
É não escolher,
É se recolher,
Não mais opinar,
Não se aborrecer.

Às vezes, a gente percebe
Que o momento passa,
As portas se fecham,
Se empenam, emperram,
E que já não há
Nenhuma abertura.

O melhor é deixar
Lastrar a loucura,
Fechar bem os olhos,
Esquecer as rimas,
Maldizer a métrica
E a harmonia.

Às vezes, as ervas daninhas
Tapam para sempre
Tudo o que restou
Daquele caminho
Voluntariamente
Não mais percorrido.

A distância é tanta
Que já não se cobre,
Que já não há passos,
Apenas espaços
Já intransponíveis
Entre os frouxos laços.

A emenda e o soneto
Já não se conhecem,
E o poema cai
Natimortamente
Na página branca
Sem rima, sem graça,
Lamentavelmente.





8 comentários:

  1. Há dias assim...

    Não tenho pensa.
    Tenho só árvores ventos
    passarinhos - issos.

    |Manoel de Barros - Tratado Geral das Grandezas do Ínfimo|

    um beijo

    ResponderExcluir
  2. As vezes o momento passa, as portas se fecham, mas certamente novos momento surgirão e nova portas se abrirão. Belo poema.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Ana Bailune

    Os entendidos dizem que com o chamado verso branco pode bem sair boa poesia. A tua está bem conseguida.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. há dias de sol e outros de chuva. eu também tenho isso de me recolher por longo tempo. beijos

    ResponderExcluir
  5. Ana, parece até que você advinhou... Estou em dias assim... Recolhendo-me! Talvez me encolhendo.

    Há dias que as janelas ficam abertas, já outros, em que o dia é só lua!

    ResponderExcluir
  6. Como aqueles dias em que se sente que ja morreu.
    Dias que nos recolhemos e sonhamos na renovação.
    Um abração minha amiga.

    ResponderExcluir
  7. Há dias em que a gente cansa mesmo, Ana. Só peço que você não canse de escrever e continue nos brindando com belos poemas.

    ResponderExcluir
  8. Maravilhoso esse poema!E muitas vezes as rimas atrapalham a expressão de nossos sentimentos e temos que chutar o balde mesmo!...rs...bjs,

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...