terça-feira, 28 de maio de 2013

Título






Título



Queria ter todos os os direitos naturais e autorais
Sobre as palavras e os sentimentos,
Esquecendo que na vida
Se repetem e se entrecruzam
Diferentes momentos.

Queria ostentar a liberdade que aprisiona
Dentro da sua sofisticada
Embaçada, 
E falsa redoma.

Queria ser o dono, o senhor de um vil castelo,
Enquanto , com o seu cutelo,
Cortava as palavras emperrando as aldravas,
Lançando setas agudas e envenenadas,
Tal qual um maricas das palavras!

De cavaleiro, sobraram-lhe apenas as ferraduras
De uma montaria que fugiu,
Já cansada das surras,
E alguns súditos que inda viviam sob o seu jugo,
Adoradores de um falso ídolo.

Queria ser o tal, negar o existencial,
Pregar o evangelho de uma bíblia que não seguia,
Pois que da refrega se empanturra e se esfrega,
Enquanto murmura obscenidades.

Queria achar-se dono de um falo desejoso,
Enquanto nem notava toda pena e todo entojo
Causados por sua pena, em fortes ânsias de nojo!

Ah, título emprestado, ou quiçá, talvez roubado
De uma tal nobreza que jamais lhe pertenceu,
Um título forjado, que escondia um vil plebeu
Por sob os podres brocados de um mendigo desbocado!


11 comentários:

  1. Olá Ana
    Como sempre seus poemas são cheios de lirismo. Gosto disso.
    Bjux

    ResponderExcluir
  2. Ana Bailune

    Há quem queira tudo e para tudo compra com perversão. Há quem muito queira e tudo perde neste labirinto de confusões. Sendo assim devemos considerar ser o teu interessante poema de intervenção.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, Ana. Tanta sensibilidade. Palavras simples, cheias de significados. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Interessante e muito inteligente poema. As vezes o que tanto queremos e almejamos, na verdade nada vale... Parabéns amiga!

    ResponderExcluir
  5. Toda vez que leio um poema ou um texto eu primo pelo título, sabe por quê?
    Porque o título, (se for ousado)já chama atenção e o leitor vai ler, com certeza!

    Neste caso, em que o título já é Título,e a imagem é deslumbrante, restou falar dos versos que culminam em todo o talento de Ana Bailune.

    bacio

    ResponderExcluir
  6. Você escreve muito bem. Costumo ler e reler seus poemas, com admiração, Ana. O título não é rótulo e nem sempre traduz verdade. Muito belo! Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Olá amiga!!! Já estou aqui em sua Liberdade de Expressão, muito lindo tudo por aqui.
    Beijos! Fernanda Oliveira
    http://nandamusicpoesia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Amei a poesia
    Sonhar e concretizar....podemos sim...título sim ...
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. bom diaaa

    linda poesia, cheia de emoção.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  10. Resumindo: quem é mesmo não precisa adotar título, não é? "Queria" é pretérito imperfeito, daí a ser há enorme distância! Inteligentíssimo seu texto!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mensagem - Desativação de Blogs e Incorporação dos Conteúdos

Olá, pessoal! Estou desativando a maioria de meus blogs, pois acho que me entusiasmei e acabando abrindo espaços demais. Ho...