terça-feira, 21 de maio de 2013

A Caixa



Quem sabe, talvez  só precise
De uma caixa que me caiba
Quando chegar lá na frente, 
Diante da porta fechada.

Aqui ficarão os meus sonhos,
As roupas, as modas, a casa,
Amigos, família, parentes,
Cabelos, os pelos, os dentes.

Os ossos, as unhas, os sumos
De um corpo que um dia foi gente,
Lá dentro da caixa fechada,
Entre a eternidade e o nada.

Um brinde, uma gota de fel,
Um copo de cólera e mel...
Ah vida, megera indomada,
Ah, morte, o fim da picada!




7 comentários:

  1. Contra essa não se luta, seria uma luta inglória.
    Bjux

    ResponderExcluir
  2. Gosto!
    É uma forma muito poética e vertical de encarar a caminhada e a caixa final, a encadernação de uma vida.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. É necessária. E como eu sei de sua nova vida, depois de deixar uma aqui, inolvidável, não acredito que seja o "fim da picada". Agradeceria muito se pudesse ler todos os seus textos na nova vida. Abraço, Ana.

    ResponderExcluir
  4. Ah, como é difícil aceitar essa "dama temida", já escrevi versos com esse título, "A Dama Temida", infelizmente ou não, faz parte da vida e não é nada de "...fim da picada" isso ao meu ver é claro!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. OI ANA!
    MUITO BOM MESMO!
    ESCREVESTE UM TEXTO QUE DEVERIA SER TÉTRICO, POR SUA MENSAGEM, MAS FICOU POÉTICO, EU ADOREI...
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Estar nesta travessia desvestidos de tudo e passar por esta porta sem olhar para trás.
    Falar desta viagem é estar de frente para a sequencia natural e com beleza o fez.
    Um abraço com carinho Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Em Casa

Sinto prazer em estar em casa... gosto de cuidar de tudo, andar pelo jardim, aproveitar o sol. Gosto de ir lá para fora olhar...