A Caixa



Quem sabe, talvez  só precise
De uma caixa que me caiba
Quando chegar lá na frente, 
Diante da porta fechada.

Aqui ficarão os meus sonhos,
As roupas, as modas, a casa,
Amigos, família, parentes,
Cabelos, os pelos, os dentes.

Os ossos, as unhas, os sumos
De um corpo que um dia foi gente,
Lá dentro da caixa fechada,
Entre a eternidade e o nada.

Um brinde, uma gota de fel,
Um copo de cólera e mel...
Ah vida, megera indomada,
Ah, morte, o fim da picada!




Comentários

  1. Contra essa não se luta, seria uma luta inglória.
    Bjux

    ResponderExcluir
  2. Gosto!
    É uma forma muito poética e vertical de encarar a caminhada e a caixa final, a encadernação de uma vida.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. É necessária. E como eu sei de sua nova vida, depois de deixar uma aqui, inolvidável, não acredito que seja o "fim da picada". Agradeceria muito se pudesse ler todos os seus textos na nova vida. Abraço, Ana.

    ResponderExcluir
  4. Ah, como é difícil aceitar essa "dama temida", já escrevi versos com esse título, "A Dama Temida", infelizmente ou não, faz parte da vida e não é nada de "...fim da picada" isso ao meu ver é claro!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. OI ANA!
    MUITO BOM MESMO!
    ESCREVESTE UM TEXTO QUE DEVERIA SER TÉTRICO, POR SUA MENSAGEM, MAS FICOU POÉTICO, EU ADOREI...
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Estar nesta travessia desvestidos de tudo e passar por esta porta sem olhar para trás.
    Falar desta viagem é estar de frente para a sequencia natural e com beleza o fez.
    Um abraço com carinho Ana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA