segunda-feira, 20 de maio de 2013

Fim de Tarde





Aquele cheiro de carros
Chegando na rua,
Cachorros latindo nos portões,
Pais com os pães pendurados nos dedos,
Mães em roupões e pantufas,
Jantar sobre a mesa.

A novela rolando na TV,
Talheres e copos tilintando,
O cheiro da comida escapando pela janela,
A adolescente no quarto, em frente ao espelho,

Sem pensar em problemas,
Apenas nas novas cores dos esmaltes de unha,
Na prova que teria na manhã seguinte,
Em ser uma estrela num banho de espuma,
E no que contar, amanhã, à amiga.

Conversas chegando nas vozes dos ventos,
As ruas vazias, tão cheias de lua,
E de repente, alguém chega à janela,
Olha as estrelas, respira fundo,
Planeja o outro dia,
Silencia.

Era assim.

6 comentários:

  1. Mais do que um espectador, senti-me envolvido, a viver e a fazer parte do momento.
    Parabéns, Ana!

    ResponderExcluir
  2. Que encantador, poetisa! Teu blog é maravilhoso!
    Agradeço-te a visita ao meu. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Oh!!!!!!!!!!!!!!
    Amiga querida !
    Gosto do seu jeitinho maroto de fazer ver os dias acontecerem.
    bjssssssssss

    ResponderExcluir
  4. Ana,poética demais essa tarde!Tb me trouxe belas lembranças!bjs,

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...