POÇO




Poço ambicioso
Que nunca se enche,
Por onde gotejas
E te esvazias?

O que te incomoda,
O que te transforma
As águas em poças
Tão estagnadas?

Por mais que te encham,
Por mais que te enchas,
Jamais é bastante,
Tua sede não estanca!

De nada adiantam
 As águas que chegam,
A chuva profusa,
Ou mil afluentes,

Pois nada preenche
A tua secura,
A tua loucura
Ah, poço de mil sedes!


Comentários

  1. Tal qual este poço, é tua poesia! Nela me espelho e enxergo a profundidade! Fantástico o seu poema! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Sinto-me neste poço! Sei que águas não secam e que suas gotas dentro da caneca vão matando a sede, preenchendo as paredes, mas, a secura... sempre volta na garganta...

    ResponderExcluir
  3. a sede de si mesmo , impedede as pessoas de acharem respostas , tal poço que seca ainda cheio , tal poço que gera uma cheia e um vazio que nunca estanca . belamente construido, grande Anabailune.......olguinha

    ResponderExcluir
  4. Muito original e belo, Ana, querida amiga !
    Parece que estava a ler uma metáfora relativa aos políticos corruptos !

    Admiro-te muito

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. belo alvorecer amiga mil !
    Todo dia uma fonte de inspiração por aqui...
    bjssssssssssssssss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos