domingo, 26 de agosto de 2012

Matéria dos Sonhos








O capim não cresce à toa
Por onde os sonhos pastam.
Há que se cultivar bem
O solo, plantando as sementes
Cuidando para que não as levem
No bico, os pássaros.

Há que se cultivar com cuidado
O alimento do sonho
Para que não mingue,
Para que não morra  
De fome.

Alimentado e crescido,
O sonho, para ser real,
Às vezes  precisa aprender
A ignorar as profecias
Do Mal.

E, se sobreviver,
Antes de tornar-se real,
Deve o sonho ser aquecido
Bem junto ao coração que pulsa,
E que lhe dê coragem
De ganhar espaço.

Ás vezes, é preciso cortar laços.

Mas um sonho perdido em um campo vazio,
Sem que ninguém o alimente,
É apenas um sonho morto.
Reanimá-lo? Nem tente!

6 comentários:

  1. às vezes os sonhos morrem por sufocamento! beijos

    ResponderExcluir
  2. Ana,que bela poesia e reflexão!De fato,reanimar um sonho não é tarefa facil!bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Ana, você fez uma senhora poesia construída com metáforas passando-nos uma senhora mensagem, adorei beijos Luconi

    ResponderExcluir
  4. Os sonhos morrem quando deles nos descuidamos. Devem, de fato, ser abraçados com amor e coragem. E tem razão no que mencionou em seus versos, alguns exigem que nos desvencilhemos de antigos laços. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. ... ''Às vezes é preciso cortar laços...'' Poesia maravilhosa e repleta de grandes ensinamentos. Parabéns!! Beijo

    ResponderExcluir
  6. Poesia de rara beleza recheada de uma profunda inspiração.
    Nem tente, não se machuque é a ordem.
    Meu abraço Ana.
    Bela semana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...