domingo, 26 de agosto de 2012

Matéria dos Sonhos








O capim não cresce à toa
Por onde os sonhos pastam.
Há que se cultivar bem
O solo, plantando as sementes
Cuidando para que não as levem
No bico, os pássaros.

Há que se cultivar com cuidado
O alimento do sonho
Para que não mingue,
Para que não morra  
De fome.

Alimentado e crescido,
O sonho, para ser real,
Às vezes  precisa aprender
A ignorar as profecias
Do Mal.

E, se sobreviver,
Antes de tornar-se real,
Deve o sonho ser aquecido
Bem junto ao coração que pulsa,
E que lhe dê coragem
De ganhar espaço.

Ás vezes, é preciso cortar laços.

Mas um sonho perdido em um campo vazio,
Sem que ninguém o alimente,
É apenas um sonho morto.
Reanimá-lo? Nem tente!

6 comentários:

  1. às vezes os sonhos morrem por sufocamento! beijos

    ResponderExcluir
  2. Ana,que bela poesia e reflexão!De fato,reanimar um sonho não é tarefa facil!bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Ana, você fez uma senhora poesia construída com metáforas passando-nos uma senhora mensagem, adorei beijos Luconi

    ResponderExcluir
  4. Os sonhos morrem quando deles nos descuidamos. Devem, de fato, ser abraçados com amor e coragem. E tem razão no que mencionou em seus versos, alguns exigem que nos desvencilhemos de antigos laços. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. ... ''Às vezes é preciso cortar laços...'' Poesia maravilhosa e repleta de grandes ensinamentos. Parabéns!! Beijo

    ResponderExcluir
  6. Poesia de rara beleza recheada de uma profunda inspiração.
    Nem tente, não se machuque é a ordem.
    Meu abraço Ana.
    Bela semana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...