sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Arrumando as Prateleiras






Tenho umas prateleiras sob as escadas que levam ao segundo andar da casa, onde guardo meus livros e discos de vinil. Há muito tempo vinha planejando arrumá-las e limpá-las, mas com tanto a ser feito em uma casa, mais o meu trabalho com as aulas, sempre acabava 'empurrando a tarefa com a barriga.' 

Mas finalmente, tomei algumas horas para colocar tudo em ordem. As prateleiras abarrotadas de livros que eu puxava e depois, não recolocava no lugar certo por falta de tempo. Discos de vinil cujas capas empoeiradas cheiravam a bolor. Tirei tudo, tudo do lugar, e comecei a árdua (?) tarefa... 

Foi como reencontrar velhos amigos: lá estavam livros que modificaram minha vida e ajudaram a formar o meu caráter, como "Ilusões", de Richard Bach, e "O Profeta", de Khalil Gibran. Maravilhoso e mágico, reler trechos de "O Convite", de Oriah Mountain-Dreamer. Uma delícia, rever Lia Luft, as incríveis memórias de Louis Bourne, os poemas de Cecília Meireles e Fernando pessoa. 

Adorei perder-me novamente nas "Memórias, Sonhos e Reflexões" de Jung. Aproveitei para checar o significado de meus sonhos, nos muitos livros que tenho sobre o assunto, e senti arrepios ao reler meus muitos contos de terror. 

Peguei uma receitinha para o jantar com Sônia Hirsch e reaprendi sobre vinhos relendo trechos dos três livros que comprei quando montamos a nossa adeguinha. 

Separei romances que quero reler um dia. Tirei o pó de cada livro e de cada disco - oh, meu Deus, preciosidades, como o primeiro LP dos Beatles! Relembrei minha adolescência com as coletâneas de músicas de discoteca e minha coleção de discos do Queen, Elton John, Rod Stewart, Supertramp, Barbra Streisand, Guilherme Arantes, Maria Betânia... e, lá no fundo da prateleira, achei a caixa com minhas contas, cristais, pedras, fios e miçangas, da época em que eu fazia colares. Pensei em voltar a fazê-los, quem sabe?... 

Quando terminei, já começava a escurecer. Próximo objetivo: o armário de CDs.


5 comentários:

  1. No final das contas, esta arrumação valeu a pena, não é mesmo? Com certeza, no armário de CDs vai ser outro bom momento.
    Bom final de semana Ana, beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  2. é bom arrumar! velhas estórias vem à tona! velhas lembranças e a gente sorri perdida em memórias!

    ResponderExcluir
  3. Bom rever "velhos amigos". Deliciosa, sua crônica! Coincidentemente estive revirando (não exatamente organizando ou limpando) meus antigos livros e via "Longe é um lugar que não existe" e "Fernão Campelo Gaivota" e também um livro de parábolas de Gibran Kahlil Gibran...

    ResponderExcluir
  4. É muito bom rever "velhos amigos". Deliciosa crônica. Coincidentemente remexi meus livros recentemente (não exatamente arrumando ou limpando) e me deparei com "Longe é um lugar que não existe" e "Fernão Campelo Gaivota" além de um livro de parábolas do mestre Gibran. Mas o que mais me melancolizou, e já tangenciando a coincidência, foi "Admirável Mundo Novo" que lí a primeira vez quando tinha menos de vinte anos...

    ResponderExcluir
  5. rsrs, tenho nada disso, passo tudo, rsrs...li até aqui e adorei todos, vou la comentar o último bjuuu

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...