quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Introspecção




Dentro da noite
Onde as horas dormem
A espera do dia,
Na chama da vela
Que bruxuleia
Na incerteza
Da lua cheia,
No cansaço
Das pálpebras
Que pesam,
Querendo adormecer

Para poder te ver,
para poder te ver...

Repousa, serena,
A minha esperança,
Que aos poucos, despede-se
Da minha certeza.

A nuvem que passa
No céu da madrugada
Carrega consigo
Um breve pedido:
"Amanheça!"

Um comentário:

  1. Oi Ana....muito bom te ler....amo!
    Seu poema me fez lembrar hj de manhã, sai bem cedo pra levar a Bruna na escola e ainda vi a lua...
    que bela imagem..

    bj

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...