quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Abissal







Abissal


Escolhi do mar
As lembranças
Que desejei ter...
Quase afogada,
Pés atados pelas algas
Que tentavam me reter.

Um cavalo marinho,
Para cavalgar em meus sonhos salgados,
Uma estrela do mar,
Para fazer um pedido,
Uma tartaruga
Para eu, distraída, vir a perder,
Três peixes,
Que me ensinem a nadar sem morrer
E que me levem aonde está você.


8 comentários:

  1. Ah, o mar!
    Também adoro o mar.
    Lendo a tua poesia,
    senti a brisa do mar no meu cabelo
    e a areia fina nos meus pés.
    AdoreiW

    ResponderExcluir
  2. Eu não sei falar de mar, pois tenho tão pouco intimidade com ele. O meu primeiro contato com o mar, olha, não foi nada tentador, senti foi medo. Depois, mais experiente, senti que o medo era provocado por uma espécie de imensidão que nos deixava impotente, pequenos demais. Talvez seja por isso que causa-me estranheza ler você assim falando de tartaruga, cavalinho do marinho, estrela do mar e, engraçado, intrigou-me os tais três peixes (que você queria dizer com eles?), um mundo que desconheço, acho-o assustador, enquanto você fala sobre ele com desenvoltura e arte, como quem descreve um jardim para quem o acha demasiadamente forte, imenso demais. Mas, em todo caso, quem é do mar sabe o que diz. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. O mar tem o tamanho da imensidão... É um bom lugar para buscar lembranças. Suas águas escondem segredos que só o coração consegue achar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Uma viagem de encanto você proporcionou. Escolheu, poeticamente, os companheiros de caminhada. Tudo perfeito, para chegar ao destino almejado. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Dificilmente não gosto de texto sobre o mar...
    Simplesmente ADOREI seu poema, bom imaginar como seria.

    Se importa se eu postar no meu Facebook? (posto link pra cá)

    Até mais

    ResponderExcluir
  6. Guardado nas lembranças
    mergulhado pelo olhar
    versos escritos por ondas
    metafísicas do pensar
    mergulhos profundos
    gaivotas hipocampos algas
    tantos versos do mar
    tantas formas de amar
    versos mui lindos
    minha poeta...
    belo poema!

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  7. Hummm... Que coisa bonta hein?

    Desde o título até o final do poema você mescla naturezas e humanidades num conjunto aquático, onde os líquidos da vida misturam-se em breves respostas, quem sabe, enterradas em algum atol da ilusão.

    Cabe a cada um descobrir o seu.
    Lindo, lindo!
    bj da Lu

    ResponderExcluir
  8. no mar tem tantos desejos escondidos(no mar de nosso coração), está eteno !! olguinha

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...