segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Lixando a Grade





Há quanto tempo escuto o ruído do rapaz que lixa a grade na casa vizinha? Mais de duas semanas, eu acho... e nem é uma grade muito grande... fica na porta da cozinha, e deve ter mais ou menos um metro de comprimento. Barrinhas de ferro paralelas e espaçadas. E ele lixa, lixa, lixa... arranca toda a tinta antiga, com paciência e eficiência, mas sem nenhuma ciência. Acho que ele medita. Não tem pressa de acabar.

Eu mesma, já não consigo controlar a ansiedade de ver a grade pintadinha de novo. Mas o homem apenas lixa, lixa, lixa. 

Antes, era o ruído de uma faquinha que ele usava para arrancar a camada mais grossa da tinta envelhecida. Aliás, várias camadas, todas sobrepostas, por anos e anos de pintura inadequadamente feita. Porque os pintores anteriores não lixaram a tinta velha antes de passarem a nova. E a faquinha batia no ferro, compassadamente, quebrando o silêncio da manhã, entrecortada pelos passarinhos. 

Uma visita me perguntou que barulhinho era aquele, e eu mostrei a ela o homem que raspava (agora, o homem que lixa). 

Penso: "Por que ele não usa logo um maçarico e acaba com isso? Quem, afinal, se importará se uma gradinha de nada como aquela foi totalmente lixada, a tinta velha totalmente removida? E se fosse uma grade extensa, medindo quilômetros, como a do meu outro vizinho?" Mas ele, alheio às minhas especulações, concentra-se em seu trabalho de lixar.
O homem que lixa está se lixando para o mundo...

4 comentários:

  1. Na síntese de tua conclusão, cabe o mundo do sentido. Muito bom ler-te, Ana. Boa semana! Bjs

    ResponderExcluir
  2. As vezes precisamos exercitar a fazer do som uma canção.
    E ele deve pensar assim eu lixo e não me lixo.
    Mas no fim faço bem feito.
    Mas que barulhinho chato esta lixa.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  3. O mundo não lhe importa,apenas o lixar e lixar e dizer eu fiz bem feito patroa.
    Belo texto do olhar cotidiano.
    Meu abraço amiga.

    ResponderExcluir
  4. quando posso gosto de guardar coisas que me ensinam, me trazem lições de vida e a filosofia oriental, me traz tanto aprendizado... um filme que guardei, por amor, por tão bela lição... por mim passaria pelo menos uma vez ao mês para as crianças, já que a família se mostrou incapaz de educar para a vivência e a religião e a escola entregaram os pontos, também incapazes... Karatê Kid é o meu filme e a sua essência é a mesma mensagem que esse senhor passa no seu fazer... que sorte a sua de conviver mesmo que indiretamente com esse ser superior... eu queria pessoas assim à minha volta, com certeza seria mais feliz... bjuuu

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...