quarta-feira, 29 de agosto de 2012

FOBIAS






Todos temos fobias. Eu, por exemplo, tenho fobia de aranhas e de altura. Lembro-me uma vezes em Brasília, quando, em visita ao Monumento JK, resolvi tirar uma foto de pé sobre a mureta que cercava a entrada - uma escadaria que conduz ao subsolo. Enquanto caminhava sobre a mureta, comecei a sentir-me tonta e enjoada ao olhar os degraus lá embaixo ,e os joelhos começaram a tremer. Meu marido teve que ir em meu resgate, ou eu acabaria caindo lá de cima. Eu nem sabia, antes daquele episódio, que eu tinha medo de altura!



Estou usando um artigo sobre estranhas fobias em minhas aulas desta semana, e surpreendi-me ao ler sobre pessoas famosas e suas fobias;  a atriz Megan Fox, por exemplo, tem fobias de pessoas respirando perto dela. Será que ela preferiria que as pessoas não respirassem? Talvez assim ela pudesse sentir-se mais confortável, suponho... a moça também confessa ter pavor de tocar em papel seco, e precisa molhar os dedos a fim de virar as páginas de seus scripts. Nossa!

Também há pessoas que tem medo de frutas, botões, antiguidades (o ator Billy Bob Thornton não entra em lugares onde haja mobília pertencente a épocas anteriores aos anos 50) e outros medos absurdos. Por incrível que pareça, há, nos Estados Unidos, mais de 250,000 pessoas sofrendo desta estranha fobia de antiguidades... incrível como somos loucos!




Algumas pessoas desenvolvem fobia de multidões. Bem, eu também não me sinto lá muito confortável quando estou no meio de um monte de pessoas, e evito este tipo de situação sempre que posso; mas não chego a ter pânico.

Conheço uma pessoa que tem muito medo de insetos. Qualquer um deles. E uma outra (homem) que tem pavor de mariposas, e sai correndo, dando o maior 'piti' se alguma delas entrar pela janela.

Dizem que  a melhor maneira de perder o medo de alguma coisa, é enfrentando-o. Às vezes, dá certo. Por exemplo, eu costumava ter muito medo de usar escadas rolantes quando era jovem. Um dia, meu namorado (atual marido) descobriu meu medo, e obrigou-me a passar um tempo subindo e descendo de uma escada rolante várias vezes, até que eu consegui perder o medo. 

Há um programa em um canal de TV a cabo onde as pessoas vão a fim de perderem seus medos... os métodos são bem radicais, ou seja, eles são forçados a confrontar seus medos. Um dia, uma mulher que tinha pavor de aranhas (como eu) teve uma caranguejeira viva colocada em seu braço.

 Nem pensem em fazer isso comigo! Prefiro morrer com medo.






10 comentários:

  1. Querida amiga Ana.Eu não tenho medo de quase nada. Só de cobras, ratos, baratas, morcegos, aranhas.Os outros insetos, prefiro passar ao largo,mas não tenho medo. Pelo menos é o que acho.Parabéns minha querida amiga por mais este brinde que nos oferece. Um forte abraço do amigo sincero Ciro.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto. Certamente a questão existe, cada caso é um caso e, creio que muitas vezes pode funciona enfrentar o medo e existe casos em que, a tentativa de superar uma fobia, poderá agravar o problema... Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Ana, menina... eu "me morro" de medo de barata! rs.
    Esse negócio de enfrentar o medo já tentei muitas vezes quando não há alguém por perto pra matá-la, mas confesso que o medo não passa nem depois que ela está morta rs... afff...
    PS: A sua primeira imagem é algo do qual eu tbm tenho muito medo, nossa senhora.
    Adorei o seu texto, bjos...

    ResponderExcluir
  4. Olá, ANNA BAILUNE! Boa tarde! Que seus pulmões respirem a graça DIVINA! @@@ NUNCA VI TANTA COINCIDÊNCIA! Até copiei sua primeira frase: "Todos temos fobias. Eu, por exemplo, tenho fobia de aranhas e de altura". Porém nem todas as aranhas, só as caranguejeiras, mas altura... de um tamborete para cima para mim é um terror! Minha fobia a altura é tamanha que não visito meus amigos que moram em apartamentos. @@@ Eu, ALEIXENKO OITAVO, Primeiro Ministro do Reino de Gorobixaba a saúdo na amizade na paz.

    ResponderExcluir
  5. Ai Ana!Eu tb prefiro continuar com medo a ter uma carangueijeira no meu braço!...rss...muito interessante seu post e tenho na familia um caso de pavor de elevador,mas a pessoa está em tratamento.Bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  6. Engraçado que fobias são curiosas e dão bons textos. Há aquela corrente que diz sobre os nossos medos serem "acontecimentos" de vida passada. Pelo menos é uma explicação lógica e mais fácil de assimilar. Muitas das senhoras que frequentam a hidroginástica comigo têm medo d'água e nem molham o rosto ou os cabelos. Estram até de óculos na piscina, rsss,porque sabem que a água não subirá além de seus ombros. Cada uma tem uma historinha da causa de tanto medo.

    ResponderExcluir
  7. Olá Amiga! hoje trago novidade. Como prometi, estou lançando o primeiro sorteio no meu blog, em parceria com o blog da minha filha . “ADRIANA DUARTE SENTIMENTOS VIVOS” ad.brenda@hotmail.com. Haverá prêmios para o PRIMEIRO e o SEGUNDO lugar.
    PRINMEIRO LUGAR: Uma camiseta de lembrança do blog PROFESSORA LOURDES DUARTE e dois livros: MULHERES QUE MUDARAM O MUNDO – Gabriel Chalita e PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMPETENTE Ampliando Saberes do Professor- Antônio Tadeu Ayres. Os livros foram comprados de segunda mão, mas estão em perfeita qualidade.

    O SEGUNDO LUGAR: UMA CAMISETA DO BLOG PROFESSORA LOURDES DUARTE.

    Como todo o sorteio, tem regrinhas, passa lá e aproveite para participar , estamos lhe esperando com carinho. Página Marcadores Título: PRIMEIRO SORTEIO NO BLOG

    PROFESSORA LOURDES DUARTE professoralourdesduate.blogsport.com
    ADRIANA DUARTE SENTIMENTOS VIVOS Ad.brenda@hotmail.com
    Abraços uma linda noite.

    ResponderExcluir
  8. ana lindo texto. muito claro você o deixou. parabens pela medida das palavras. abraços lamarque

    ResponderExcluir
  9. eu só sinto o calafrio da ameaça, não tenho fobias sérias, mas também não enfrento uma cobra(animal) porque não sou nem besta, certo? Apenas algumas coisas não gosto, me incomodam. bjuuu

    ResponderExcluir
  10. Olá Ana Bailune. Tô dando uma espiada no teu espaço. Muito oportuno FOBIAS. Eu tenho várias fobias. Dois anos atrás me submeti a um método alternativo (da psicologia) chamado EMDR, na oportunidade me garantiram que meus medos sumiriam feito mágica, desde que identificados (a origem dos traumas). Não deu muito certo. Certo dia disse a profissão: Pensando bem, não quero que tirem meus medos. Eu sou tudo isso. Acredito que valeu a pena ter participado daquelas sessões ... descobri que até que gosto dos meus medos. Deixa assim, pelo menos não morro em consequencia de lugares altos, desastre de avião, etc, etc. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...